Olhar Crítico

Homenagem

Por mais que se diga alguma coisa sobre elas, ainda faltariam muita coisa a ser pronunciada. E por conta dessa singularidade que começo meus aforismas dominicais homenageando-as: as mães. Para aqueles que sabem ler o mundo como ele realmente é e não da maneira que gostariam que fosse, a sociedade do presente se espelha muito na medieval e seus membros tentam a todo custo distorcer o curso inexorável da história, como dizia Heráclito de Éfeso em sua teoria, segundo a qual, o homem não se banha duas vezes no mesmo rio justamente porque as duas unidades não permanecem na mesma condição de outrora. Desta forma, muitos acreditam que o patriarcalismo, bem como o patrimonialismo deve ser perpetuado por meio de um Estado estamental que não desapareceu com o fim da Monarquia e agora com fortes lampejos teocráticos.

 

Mães

Mas o que dizer sobre elas nesse domingo especialíssimo? Como afirmei no aforisma acima, me faltam palavras e adjetivos para qualificar seres tão específicos em nossas existências, pois é delas o dom de dar a vida, trazer ao mundo, amamentar, acalentar quando tudo parece ser nuvens trevosas na vida dos filhos. Nas conversas que tenho com alguns educadores, nos intervalos de nossas atividades pedagógicas, recordo sempre o olhar de um amigo, expressado numa fala significativa: há momentos na vida de um filho que ele apenas se dirige ao pai para fazer a seguinte pergunta: “pai, cadê a mãe?” Qual pai, de fato e de direito, que nunca ouviu essa pergunta da boca dum rebento seu? Essa interpelação demonstra o qual singular elas são, daí o dia de hoje ser importante, mas não mais do que os outros dias da semana, do mês, do ano, da década e da vida de cada um de nós.

 

Exemplo

Não há um só dia que não me vem à mente àquela que me ensinou tudo e mais um pouco. Recordo a letra de uma música feita pelo compositor Antônio Carlos Belchior (1946-2017) e imortalizada na voz da cantora Elis Regina Carvalho Costa (1945-1982), conhecida como Pimentinha. O refrão dizia que somos e vivemos como os nossos pais. Dona Geny, como era conhecida por muitos e “Ny” pelos seus irmãos, sempre me dizia que eu só saberia o que significa ser pai e mãe quando eu tivesse um filho. Hoje sei e, por mais que desejamos dizer que somos diferentes, fazemos sempre do jeito que aprendemos com eles quando cuidavam de nós e queriam saber tudo e mais um pouco. Quando meu filho Miguel ingressou no curso de Física, na USP-São Carlos, acabei reproduzindo o que dona Geny fez comigo: o levei até a universidade e no trajeto fiz mil recomendações.

 

Recomendações  

Pois bem, meus caros leitores, minhas recomendações a vocês que ainda têm suas mães caminhando aos vossos lados, é para olhem a estrada que precisam percorrer, mas não se esqueçam daquelas que os acompanham: as mães. A minha se foi há nove anos, entretanto, não parou de me ensinar com os seus exemplos que estão registrados em minhas memórias, emergindo sempre ao conviver com meu filho, sobrinhas, sobrinhos e também com os estudantes. É preciso ser firme, dizer não às vezes, porém, acolhê-los entre os braços quando eles pensam que o mundo vai acabar por não saberem lidar com uma situação que pareciam ter sobre controle.

 

Imaginação

É sempre bom lembrar àqueles que têm condições e imaginação para isso que, mentalmente, construam um castelo para as mães residirem eternamente, pois é assim que deve ser. Não bastam palavras, aliás, elas não conseguem dizer tudo o que vai no coração e compartilhado com a alma que verdadeiramente sente o significado que uma mãe tem que, antes de o sê-la, é também mulher possuidora de liberdade e opinião que deve ser respeitada em sua integralidade e não ser vista apenas como uma mercadoria que se expõe em noites de desfile nas mais variadas formas de entretenimentos. Por isso que não consigo compreender porque em pleno século XXI é possível depararmos com pensamentos e ações medievais, personificados nas mais diversas formas de violências sistêmicas contra elas: existe a física, mas há também a psicológica que amofina, aprisiona aquela chegou um dia ouvir ser amada pelo parceiro.

 

Presentes

Muitas vezes elas desejam muitos presentes, mas creio que o que mais almejam é um olhar sincero, um caloroso abraço e que os filhos, ou filho, fiquem não o dia todo, mas a vida inteira do e ao lado delas. Será que é tão difícil dar esse presente àquelas que passaram muitas noites em claro, velando o sono dos filhos quando estes estavam febris? Quando dialogamos com aquelas mulheres, mães, que estão na labuta diária, é possível sentir o quanto elas gostariam de estar ao lado de seus rebentos, assistindo-os no crescimento físico, moral e ético. Muitos têm conhecimento que pode haver alguns empecilhos, entretanto, para aquelas que são de fato e de direito, mães, não há nenhuma dificuldade. Pode haver sim, cansaço, mas isso não é condição para deixar de amar os filhos. Neste sentido, é que tenho plena convicção da singularidade delas e não somente neste domingo, mas por toda uma vida humana.

 

Dengue

Após mais de 1260 notificações, das quais 737 confirmaram positivo para a dengue, a Prefeitura Municipal de Penápolis decretou situação de emergência por conta da moléstia. Como perguntar não ofende, não seria possível evitar os casos caso ações fossem adotadas com antecedência? Claro que muitos dirão que, por conta da pandemia do Covid-19, todos os esforços foram direcionados para evitar problemas maiores, inclusive óbitos, entretanto, a questão é sempre essa: o coronavírus não devorou os mosquitos que provocam a doença. Mas também é preciso olhar para o outro lado da peleja entre a prefeitura e o mosquito. Digo aqui que se faz necessário cobrar da população a sua parte que, diga-se de passagem, não vem sendo feita a contento. Não precisamos ir muito longe, meus caros leitores, basta uma passeada pelas cercanias dos próprios imóveis para ver o nível do descalabro e como os terrenos baldios, muitos apropriados pelos matagais, se transformaram em depósitos de lixo e moradia dos mosquitos e outros insetos.

 

Pandemia

E já que a temática diz respeito ao universo da saúde, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria Municipal para o setor, até a última quarta-feira, a cidade havia registrado 16.969 casos positivos de Covid-19. A boa notícia é que não havia ninguém internado por conta da moléstia, enfatizando que a vacinação tem surtido efeito, portanto, aqueles que tem uma inclinação anti-vacina precisam mudar seus pontos de vista. Registre-se ainda o fato de que 299 [170 homens, 129 mulheres] perderam a vida durante a pandemia que, por mais que as autoridades constituídas eleitoralmente querem dizer o contrário, permanece aí entre os sujeitos sociais. E-mail: gilcriticapontual@gmail.com, d.gilberto20@yahoo.com,   www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *