Olhar Crítico

Sebo

O Lactário Dília Ribeiro acaba de criar um sebo virtual usando as redes sociais para comercializar livros usados, CDs, DVDs, LPs, entre outros produtos. O projeto teve início a partir de doações feitas por Olinto Manoel Wanderley que cedeu livros de sua biblioteca particular e LPs. Há também outros DVDs ofertados por outros penapolenses. Tudo o que for comercializado será revertido à instituição social que promoverá no dia 12 de junho, dia dos namorados, a Batata Recheada nos sabores de strogonoff de carne, frango, creme de milho e lombo. O horário de entrega será entre às 17h e 20h na sede da entidade na rua Santa Clara, 31 na região central da cidade.

 

Solidariedade

Compartilho aqui com os meus leitores, uma discussão que fiz com o professor e sociólogo Octavio Ianni (1926-2004) durante o curso sobre Teorias da Globalização. O debate aconteceu em 1994, mas a reflexão serve para o presente. Na ocasião, o docente do departamento de Sociologia do IFCH (instituto de Filosofia e Ciências Humanas) da UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) propôs a todos os seus alunos que apresentassem uma saída para os problemas provocados pela globalização nos diversos setores da vida ativa na sociedade. Na ocasião, depois de uma vasta pesquisa, apontei que somente haverá solução para as mazelas sociais se o homem desenvolver uma ética racional de solidariedade, ou seja, que todos pudessem agir tendo como pressuposto que o seu comportamento pudesse assistir os demais seres humanos, sem que precisasse desfazer de seus pertencentes.

 

Doação

É neste sentido que parabenizo Olinto Manoel Wanderley que, ao conhecer as instalações e o trabalho social que o Lactário realiza em nossa cidade, cedeu parte do seu acervo para que a entidade o utilizasse no sentido de conseguir recursos financeiros para se manter. Outras entidades como a APAP também realizam seus eventos, comercializando livros usados, discos, CDs e DVDs. Neste sentido, fico aqui, neste último domingo de maio, com a seguinte interpelação: por que é tão difícil debelar a pobreza de nossa sociedade? Por que é tão complexo a redução das desigualdades sociais? Quem dizer que é falta de religião, pode estar cometendo um equívoco, pois esta existe aos borbotões. Sendo assim, creio que há uma ausência de religiosidade e os sujeitos sociais se colocarem no lugar do outro, a chamada empatia.

 

Empatia

Corrijam-me, meus caros leitores, caso eu esteja equivocado, mas creio que um dos grandes problemas que tem desestruturado os esforços para minimizar o impacto da pandemia em nossa sociedade, é a ausência de empatia. Nem mesmo os dados apresentados, indicando até o momento em que essas linhas eram escritas, ocorreram 195 mortes em Penápolis, é capaz de fazer com que o indivíduo cumpra com as prescrições dadas pelos cientistas. Muitos preferem acreditar no achismo, no senso comum de politiqueiros e líderes religiosos demagogos, do que no trabalho que a ciência vem realizando nos últimos séculos, desde que a Idade Média foi sepultada pela razão e o dogmatismo se restringiu a pequenas cercanias.

 

Educação

Neste ponto é interessante observar que muitas das situações em que o ser humano se envolve e pratica, poderiam ser diferentes, caso a razão prevalecesse e a ideia do “meu pirão primeiro” fosse modificada para uma ideia mínima de solidariedade. Desta forma, creio que é possível sim, o desenvolvimento de uma ética, ou seja, um ethos formador segundo o qual, enquanto existir um homem passando fome por ações e egoísmos de outros, não haveria paz interna, conforme o escritor francês Victor-Marie Hugo (1802-1885) escreveu no prefácio de seu romance Os miseráveis. Quem não leu, recomendo e sem seguida o livro O critério, de Jaime Luciano Balmes (1810-1848). Uma obra literária é interessante porque permite ao seu leitor construir através da imaginação, as situações narradas e em seguida entender que as pessoas podem fazer escolhas.

 

Mudanças

E é através de procedimentos simples que será possível mudarmos as condições sociais do futuro. O presente está contaminado pelo passado racista que alicerçou o país desde a Colônia com a exploração do braço africano sem nenhuma espécie de pagamento. Então é muito fácil sentenciar quem não teve as mesmas oportunidades num passado não muito distante, viveu nas encostas dos morros, em bairros periféricos tendo como parceiros a insalubridade e a miséria. Entendo que o homem de hoje pode escolher, entre ser solidário ou pensar somente em si mesmo e usar muitas justificativas para tal postura, entretanto, jamais poderá esconder suas práticas preconceituosas em dogmas e preceitos e preconceitos religiosos.

 

Possibilidades    

Se é possível alterar os comportamentos sociais, penso que também seja significativo fazer isso no devir político. Os representantes do povo que existem hoje, podem ser trocados, como diz um certo pensador, assim como as fraldas sujas. Se o político não condiz com o que se espera dele, as urnas estão aí para isso e as eleições idem. Democracia sempre. Jamais o homem que prima pela liberdade pode se comprazer com vereadores, prefeitos, deputados, governadores, senadores e presidente da República que deixam a sociedade à margem como se observa desde o início dessa pandemia para defender interesses de seus familiares.

 

Preconceito  

Se a educação é a norteadora das mudanças que tanto a sociedade anseia, ela também, principalmente a que é legada aos indivíduos socais a partir de seus núcleos familiares, observados por Emile Durkheim (1858-1917) como sendo coercitivos, pois quando o sujeito aporta no mundo eles já existem, corresponsável por práticas nefastas, segundo as quais, uma pessoa se acha superior a outra. E aí fico aqui com as seguintes questões: quem diz e em quais condições, homens podem se designarem como melhores do que seus pares? O econômico, o social? Como podem ver meus caros leitores, há um longo caminho a ser percorrido pela humanidade terrena para que a harmonia e o equilíbrio entre todos os pares realmente se instalem entre nós. gilcriticapontual@gmail.com, d.gilberto20@yahoo.com,   www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *