Ações e reações contra o racismo

Gilberto Barbosa dos Santos

 

Aqueles que acompanham as minhas abordagens e demais olhares críticos sobre o cenário global, nacional e local no campo social, econômico, político e literário, compreendem que não têm como fulcro a reação, mas sempre a ação a partir de um conhecimento prévio e muita reflexão. Neste sentido, quando a temática diz respeito ao racismo brasileiro e a xenofobia globalizada, ainda mais agora em tempos pandêmicos que por conta de opções eleitoreiras do governo federal, a saúde pública brasileira vive um colapso e a economia naufraga, entendo que é preciso, antes de mais nada, deixar de lado as divergências nos campos teologais, ideológicos e outros ismos que contaminam negativamente qualquer debate que objetive o entendimento sobre todas as questões que afetam a vida ativa na polis e o comportamento socioemocional de cada um de nós e, neste sentido, o racismo ou, na falta de uma definição mais apropriada que abarque o preconceito étnico-racial que viceja a sociedade nacional no presente, é tema recorrente, portanto, entendo que devo ainda manter a minha janela reflexiva aberta para o assunto.

Em primeiro lugar, compreendo que o racismo, sobretudo aquele que afeta os afrodescendentes, não é sentido apenas pela pessoa que é vitimada de um dos mais abjetos comportamentos humanos, isto é, aquele que o indivíduo que o adota se acha mais humano do que o seu semelhante, justamente pela ausência de um dispositivo biológico que o protege dos raios gamas, emitidos pelo astro-rei. A problemática vai mais longe quando diz respeito ao aspecto econômico. Sobre isso já escrevi reiteradas vezes aqui abordando o lado econômico do racismo brasileiro e o desejo que o ser social tem de desvincular sua ação de uma sentença que o adjetiva como racista: “imagina! Eu até tenho um amigo(a) preto (a)”. E o que dizer então da famigerada “´preto de alma branca”. Essa acepção desapareceu das conversas formais, mas garanto que nos bastidores ainda se mantém com outra nomenclatura, pois para um preto ser bom, precisa contar com o beneplácito de um branco. Tudo o que acabo de expor é moeda corrente na sociedade, portanto, de conhecimento de todos. Entretanto, se isso é fato, porque o racismo, o preconceito étnico-racial e econômico se perpetuam entre nós?

Para tentar responder a essa pergunta que vos faço, meus caros leitores, recorro ao livro Racismos: das cruzadas ao século XX (SP: Cia das Letras, 2018), do professor Francisco Bethencourt que leciona História no King’s College, em Londres. Segundo ele, “o racismo na forma de preconceito étnico associado a ações discriminatórias foi motivado por projetos políticos” (BETHENCOURT, 2018, p. 22). Parece-me que aqui a problemática vai mais longe do que o presente nos permite analisar, entretanto, creio que seja possível tecer algumas observações sobre essas questões, tentando analisar a distinção entre ação e reação, principalmente porque a reação é sempre o desejo de quem violenta, agride para justificar seus sucessivos vilipêndios, açoites, sevicias sofridas por aqueles que são agredidos sobretudo na sua humanidade. Esse tipo de tortura que antes de ser física, é cultural, afetando a identidade do ser em si que, deve, sob açoites e as mais aviltantes formas de violações começando pelo aspecto simbólico, se tornar outro que não aquele que é. Se buscarmos no projeto político brasileiro que nos sugere o historiador britânico, saber-se-á que na Colônia o objetivo em se estimular o escravismo africano foi sobretudo econômico e de ocupação geográfica. Foram mais de 300 anos de chicotadas na pele africana que deixaram marcas indeléveis em todos: escravizados e escravizadores e seus capatazes, capitães do mato e toda a sorte de aventureiro que apareciam pelas terras arrancadas dos índios.

Interessante notar que o enriquecimento desses aventureiros se deu sobretudo através da exploração de uma mercadoria que precisava ser destituída de sua humanidade para se tornar rentável. Posto isto, fico com a pergunta: como uma sociedade forjada no não pagamento do trabalho alheio, na violência, do estupro e toda sorte de sevícias poderia chegar ao século XXI arrogando-se a adjetivação de ser liberal, neoliberal ou ter projeto de implantação de ações voltadas às populações de baixa renda? É necessário, antes de tudo, entender essas escaramuças que aprisionam as mentes que se supõem mais voltadas à solidariedade humana chegando ao ponto de se dizerem cristãs, mas incapazes de estender os braços a quem procura abrigo e proteção, portanto, quando o fazem deve ser por intermédio dos holofotes e imagens estampadas em jornais, revistas e agora nas redes sociais. Até aí a questão não me parece tão complexa assim, contudo, tudo se modifica ao se pensar na ação. Como agir num universo em que o amigo do rei, em detrimento da meritocracia e do conhecimento, tem privilégios, conforme apontou a socióloga estadunidense Patrícia Hill Collins sobre o feminismo, de cor e de classe? Claro que a questão de classes sociais é emblemática e não vou adentrar nesse universo, pois se faz necessária uma outra forma de abordagem, entretanto, fico aqui observando a distinção entre ação e reação. Quando o filósofo Thomas Hobbes (1588-1679) em sua obra Leviatã diz que “o homem é lobo do próprio homem”, entende-se que a violência está instalada, precisando de mediações para se equacionar os conflitos. Neste sentido, compreendo, conforme nos diz Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) em uma de suas teses na obra O contrato social, essa observância só pode ser feita através da educação. Mas qual educação se está falando num Brasil estamental com forte viés Colonial em que o homem está acostumado a enriquecer sem valorizas e remunerar adequadamente o trabalhador? Como pensar numa ação quando se vivencia a seguinte afirmação: “aos amigos tudo, aos inimigos, os rigores da lei”. Esses ditames permeiam a prática social, econômica e política desta Brasil.

Desta forma, como agir contra o racismo? Ampliando as relações étnico-raciais para confirmar o tal do mito da democracia racial? Segregando-se em seus pertencimentos culturais e heranças africanas? A democracia racial é um mito falacioso, quiçá as relações entre pessoas no campo emocional, psicossocial e sentimental deixar bem claro que quando duas pessoas se encontram e, conforme Aristóteles diz em seu livro Ética a Nicômacos, a junção é pautada em valores éticos e morais, a etnia pouco importa. Todavia, quando uma mulher preta passeia de mãos dadas com o seu esposo branco, os olhares são capciosos. Tem uma fala do atual chefe do Executivo Federal em que este ressalta que seus filhos não se envolveriam com mulheres pretas porque foram bem-educados. O autor dessa observação preside a Nação que tem mais de 54% das pessoas se definindo como descendentes de africanos. E o que isso quer dizer? Significa o paradoxo que está enraizado no processo ético de formação deste país. Como o Brasil pode ter um gestor com esse pensamento e afirmar que não há racismo entre seus pares? Posto isso, fico cá com uma nova interpelação: a ação deve preceder a reação? E qual é o sentido de uma ação que vise minimizar em curto prazo as sandices propaladas de forma velada pelos entes que constroem socialmente este país? E o que dizer da reação? Neste caso aqui o algoz sempre quererá que o violentado reaja da mesma forma como foi açoitado para que justifique o chicote nas mãos de seus algozes. Enfim, a educação, que é o campo em que as mudanças devem ser iniciadas, continua mantenedora de estruturas que de forma subjetiva perpetuam o status quo colonial. Ainda assim, fico com a ação: jamais aceitar que o chicote, que me açoita pela minha condição étnico-racial, fique em minhas mãos. Aquele que me espanca na minha condição humana e étnica que justifique seus motivos. Os dados indicam: mortes de jovens pretos por meio de arma de fogo cresceu 500% nos últimos 20 anos.

 

Gilberto Barbosa dos Santos, Sociólogo político, editor do site www.criticapontual.com.br, autor do livro O sentido da República em Esaú e Jacó, de Machado de Assis; professor no ensino médio em Penápolis; pesquisador do Grupo de Pensamento Conservador – UNESP – Araraquara e membro do Conselho Editorial e Científico da revista LEVS (Laboratório de Estudos da Violência e Segurança) – UNESP – Marília; escreve às quintas-feiras neste espaço: e-mail:   gilcriticapontual@gmail.com, d.gilberto20@yahoo.com,   www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *