Sobras de um amor… parte II

41

 

         Angélica voltou à sala onde Márcio estava ainda meio passado, catatônico com o ocorrido minutos antes. “- Amor! Calma! Tudo acabou. Agora você está aqui comigo. Vamos tomar um banho juntos e relaxarmos. Eu também estou enraivecida, indignada, mas isso não é um décimo do que estais sentindo”.

– E..e..u não fiz n…ad…a para ser tr…a..tado como um marginal. Ex…ceto… s.. er preto!

– Eu sei amor. Aquela arma em sua cabeça foi como eles estivessem apontando para a minha também. O que presenciei hoje, me fez ir lá no dia em que meu pai jogou dinheiro no rosto de Tarsila, dizendo que aquilo dava para ela comprar bananas pelo resto da vida. O policial usou a arma, Jô usou o dinheiro que, trocando em miúdos, dá na mesma.

– Se você não estivesse lá, com certeza estaria apanhando até agora e depois diriam que foi um equívoco.

– Eu não me movimentei porque queria ver até onde eles iam e precisava pegar o máximo de informações possíveis sobre eles. Eu documentei a cena e como não sabiam quem eu era, acreditaram que estavam fazendo a melhor ação.

– Compreendi isso. Mas se eu falasse alguma coisa, já era. É que travei! Não conseguia dizer nada, absolutamente nada.

– Vamos tomar um banho. Espere um pouco que vou preparar a banheira para nós. Temos umas duas horas só nossa. Depois jantaremos na mamãe. Não vai falar nada disso para Judith. Se ela souber é capaz de ter uma sincope.

– Está bem, amor!

Enquanto a empresária preparava a banheira com sais, o jornalista ficou olhando pela janela e voltando aos poucos ao mundo material. Quando sentiu a arma na cabeça, pensou que sua vida tinha chegado ao final naquela abordagem policial. Tentou olhar para Angélica e a viu com o celular como se estivesse fotografando. Foi empurrado a pontapés para dentro da viatura que, do nada parou, e os policiais o retiraram do veículo e Angélica o abraçando. Depois não se lembra de mais nada.

– Vem amor! Está tudo pronto.

Angélica entrou primeiro e ele em seguida. Ela o ajeitou em seu corpo e ficaram ali. Ela colocou uma música no celular e ambos ouviram até que dormiram um apoiando o outro. O casal foi despertado pelo som do aparelho que registrava uma chamada. “-Alô! Mãe? Está tudo bem sim. Ele se acalmou. Dormiu aqui comigo. Já estamos indo. Nos dê uma meia horas”.

Ao desligar o equipamento, Angélica chama Márcio que parece completamente desligado. Se não fosse pelos seus batimentos cardíacos e respiração, a arquiteta podia jurar que estava morto. “- Oi! O que foi? Os policiais já foram embora. Eles queriam me torturar até a morte.”

– Amor! Você teve um pesadelo. Não há mais nada, nem resquícios dele. Vamos nos preparar. Precisamos jantar na mamãe e Judith quer saber como foi a consulta. Posso falar para ela que você esmurrou o médico porque ele estava me paquerando?

Na medida em que foi voltando, o jornalista foi percebendo algumas coisas e fez a conexão de sentido. “-Amor! Aqueles policiais foram atrás de mim porque eu esmurrei o doutorzinho que te assediava enquanto me consultava”.

– Deixa de besteiras e vamos esquecer isso.

Ambos deixaram a banheira, se dirigindo ao quarto. Márcio abraçou Angélica e a beijo ternamente. “- Obrigado amor. Daqui a pouco estarei melhor. Tudo vai passar, eu sei que vai. Te amo!”

– Amor! Eu nunca tinha presenciado uma abordagem policial e agora sei como ela é truculenta, principalmente contra os pretos. Me senti em seu lugar. Horrível! Mas vamos mudar de assunto, se não ficaremos muito tempo no que aconteceu hoje à tarde e não trataremos do que é mais importante: nossa viagem à Alemanha.

– Você está certa. Quem sabe da próxima vez, esses policias encontrem alguém que os coloque no seu devido lugar.

– Se eu te falar, promete não dizer nada. Nem que sim e nem que não?

– Pode falar.

– Eu filmei tudo.

– E daí?

– Veremos como as coisas vão ficar. Agora vamos.

Angélica escolheu uma calcinha e mandou Márcio fechar os olhos. Ele obedeceu e só os abriu quando a empresária disse: “- Pronto! O que achou?”. Márcio fica com os olhos arregalados e pergunta a futura esposa: “-É para eu tirar agora com os dentes e massagear o que ela guarda?”

– Mas que homem mais tarado.

Angélica estava com uma calcinha verde bem claro, justa ao corpo sem, no entanto, marcá-lo. Do jeito que o repórter gostava. “- Amor! Está belíssima, muito sexy. Com certeza durante o jantar, imaginarei tirando essa calcinha!”

– Agora sai! Quero me arrumar para ti. Se ficar aqui, perde a graça. Não vale ficar espiando uma mulher enquanto ela se arruma. Eis o segredo. E você não vai ficar escolhendo minhas roupas. Já sei do jeito que gostas. Também espero não ficar me intrometendo no vestuário que escolherá. Obviamente que se eu não gostar, você nunca usará.

Márcio saiu, até porque se arrumaria bem mais rápido que ela. Quando a futura esposa deixou o quarto, Angélica trajava um vestido verde que cominava com a calcinha. Um sapato que a deixava mais alta que ele, mas quem se importava. Ele mesmo queria apenas estar com ela.

– Amor! Estais linda! Será que a roupa que eu colocar ficará à altura dessa bela simplicidade que me ofertas para eu ser o seu par nesta noite?

– Obrigado meu Marzinho. Tenho certeza que sim. Não tem mais aquelas camisas ensebadas e aqueles sapatos que pedem graxa. Quando tua mãe saiu com a minha, ela trouxe umas roupas para ti e é claro depois que passou pelo meu crivo, agora podes vestir. Está lá em cima da cama.

Ao sair do quarto, Márcio estava calçando um sapa-tênis, calça jeans, uma camiseta branca sem estampas e um blazer da cor da calça, enquanto o cinto combinava com os detalhes do calçado. “- Meu deus do céu! Não é que a minha futura sogra sabe mesmo vestir o meu Marzinho! Dona Judith está de parabéns! Estou vendo que se eu te deixar solto, não te pego mais. Te amo!”

Foram até o elevador de mãos dadas, chegaram ao automóvel e pelos olhares da arquiteta, seria difícil ela conseguir chegar até a mansão sem agarrar Márcio, mas ela se conteve. Queria que o seu Marzinho chegasse todo arrumadinho para a mamãe dele vê-lo, mas depois, não teria mais desculpas.

Ao entrarem na mansão, Judith foi ao encontro do filho dizendo que ele estava lindo e a futura esposa também. “- Ambos estão divinos. Fico aqui imaginando como estarão no casamento”. O casal se entreolhou cheio de paixões. E a mãe de Márcio já emendou logo o que a apoquentava. “- E lá no médico, como foi? Está tudo bem com você meu filho?”

Angélica não aguentou e contou. “- Com o seu filho está tudo certinho. Sem exagerar no álcool e é lógico que não beberás mais, pelo menos enquanto tiver comigo. Agora precisa ver como ficou a cara do médico.”

– O que aconteceu com o doutor, meu filho?

Foi Angélica quem disse toda orgulhosa do ato do seu Marzinho. “- O doutor começou a dar indiretas e me cantando e o Márcio nem pensou. Soltou o braço no rosto enquanto o doutor lhe consultava”.

– Meu filho! Por que fez isso? Já não chega o escândalo ocorrido na véspera do seu quase casamente com aquela cadela?

– Porra mãe! O cara estava cantando a Angélica na minha frente e me ofendendo por conta da minha cor. Só levou um recadinho para nunca mais ficar cantando coisas que não suas. Eu não saio por aí cantando mulher de ninguém.

“- Ai de você se fizer isso”, ressaltou a arquiteta que logo em seguida chamou a mãe para uma conversa. “-Mãe vem aqui. Onde tem um computador com impressora em que eu possa editar umas imagens e escrever um texto e mandar para todos os jornais?”

– Usa o do Amadeu. Eu comprei outro para ele.

– Não deixe ninguém entrar aqui. Assim que tudo estiver pronto eu a chamo.

A empresária editou tudo e salvou num pen-drive que entregaria para a mãe. Escreveu um texto rápido com o título: “Jornalista é ameaçado de morte por policiais durante abordagem”. No corpus da matéria, escreveu tudo na primeira pessoa, indicando que tinha presenciado as cenas presentes nas fotos e no vídeo. Mandou tudo e depois deletou até o e-mail. Chamou a mãe e mostrou as fotos. Entregou uma cópia para ela com as informações necessárias.

– Filha! Quero você e o Márcio longe disso tudo. Mas vamos trabalhar para que esses homens nunca mais façam isso.

Jantaram e Angélica só observava o jeito de Judith para com o filho. “Saudades. Cinco anos sem o vê-lo, o resultado só podia ser esse. Acho que se eu ficar esse tempo sem ele já teria ficado maluca”, pensou a arquiteta segurando a mão do jornalista. De um lado, ela e de outro, a mãe. Amadeu olhou e soltou a brincadeira.

– Eitá negão! Quero estar assim um dia! Te invejo. De um lado, a mãe que te mima como um adolescente e de outro a esmeraldina que se não se casar contigo, tira a Lua de órbita. Eu sei que estarei assim com Tarsila em breve. Mamãe falou que viajamos segunda-feira.

– Sim meu irmão. Vamos segunda-feira. Amanhã providenciarei para quando chegarmos na Europa você se encontre com a sua paixão.

– Não vejo a hora de me unir à minha Rainha de Ébano.

Todos riram e a mãe de Márcio completou: “-Isso é mais do que paixão. É amor. Alguém que quem sabe o valor do amor, aguarda pacientemente a sua concretização. Creio meu jovem, que você e sua Rainha serão felizes. Eis os meus votos, assim como o meu Marcinho e sua Rainha”.

Angélica aperta firme a mão de Marcio, agradecendo a futura sogra e beijando o amado. Amadeu contribui para deixar os dois em saia-justa. “-Será que o meu amigo repórter está recuperado para os exercícios futuros?”

Eleanora dá um beliscão no filho, lhe chamando a atenção. “- Que coisa feia, moleque. Está deixando sua irmã constrangida. Esse é um assunto só deles. Imagina então se eles perguntarem a você o que tu farás quando encontrar com Tarsila?”

– Eu já tenho a resposta. Vou deixar esses dois de lado e fugir com ela para as estrelas e lá, somente eu e ela e as estrelas por testemunha vamos consumar o nosso amor, que foi interrompido pela truculência do dinheiro.

Foi Márcio quem mudou o rumo da conversa, perguntando que música queriam ouvir e se Eleanora tinha providenciado cerveja sem álcool. “- Deixa de ser indelicado menino. Que coisa feia ficar pedindo bebida na casa em que é convidado. Se não tem na mesa é porque não foi providenciada”.

– Tem sim amor! Minha mãe sempre tem alguma coisa guardada. Vou providenciar. Mas não é para abusar.

– De fato estou todo fornicado. De um lado, minha mãe puxando minha orelha, do outro a minha noiva me regulando. Realmente Amadeu, a sua irmã é a Rainha diaba e agora encontrou uma ajudante a altura.

O jantar se estendeu até quase meia-noite, quando Judith começou a apresentar sinais de cansaço como uma das consequências da tensão por conta do estado de saúde do filho. Ela deu a dica, abraçando o filho e dizendo para Angélica: “- Se pretende se fato ser minha nora, cuide bem desse rapaz aqui. Isso é teimoso como uma mula. Não deixe ele chegar perto de álcool de jeito nenhum. Vou me recolher e falar um pouco com o seu pai. Apesar de ser turrão, é o homem que eu amo e por isso tenho que cuidar, senão pula a cerca. Boa noite a todos”.

Quando ela saiu, Amadeu fez o mesmo, perguntando ao Márcio sobre a caça aos seus textos: “-Estou quase lá, meu amigo!”. Eleanora foi conversar com os empregados, dizendo que ia se recolher e que arrumassem tudo para o café da manhã. Ela tinha um compromisso cedinho, do qual não podia faltar.

Angélica levantou pegando na mão de Marzinho e o chamando para ir embora. Enquanto ele entrava no carro, a arquiteta conversou com a mãe. “- Filha, não se preocupe. Tenho certeza de que ninguém mais, dentro da polícia desta cidade, tratará Marcio ou qualquer outro preto da maneira como ele foi humilhado hoje. Creio que dentro de 24 horas as coisas serão diferentes”.

– Obrigado mãe. A senhora precisa de ver como ele ficou. Catatônico. Se eu não faço nada, com certeza ele poderia estar morto ou sendo torturado até agora. Tchau. Deixa eu cuidar dele hoje. Está precisando da amiga e não da mulher. Amanhã conversaremos.

Angélica e o jornalista fizeram o trajeto até o apartamento quase que em silêncio. Ele dizia uma coisa e ela respondia e no momento seguinte era o inverso. “- Amor onde está doendo? Esquece a história da tarde. Não precisa levar isso adiante. Não se macule por aqueles grosseiros”.

– Eu juro que tento, mas está difícil. E como minha mãe ficará ao saber que fui enxovalhado por aqueles policiais? E se meu pai souber?

– Acho que você deve se preocupar com a viagem à Alemanha, com o lançamento de sua editora. O nosso casamento, o nascimento do filho de Roberto e ser para o filho dele um excelente segundo pai e, quem sabe, ir se preparando para também o sê-lo. Ou você está pensando que eu não quero ser mãe?

– Uma coisa de cada vez, amor. Eu sei disso tudo, mas primeiro, termine tudo com Rosângela. Isso está me dando um nó nas tripas. Enquanto não for oficial que eu e você estamos noivos, me desculpe, eu ficarei com um pé atrás.

– Eu sei amor, porque se estivesse em seu lugar acho que estaria mais ansiosa do que você e com certeza não lhe daria paz. Mas eu creio que tudo dará certo.

Chegaram em casa. O repórter se sentou no mesmo canto do sofá, enquanto a arquiteta batia em uma de suas pernas, queria sentar entre elas. Ficaram ali em silêncio por mais de meia hora, quando Angélica se levantou, indo em direção ao quarto, convidando o repórter para ficarem mais um tempinho na banheira. Com sua anuência, o banho foi preparado e os dois novamente permaneceram abraçados até que ela quebrou o gelo: “- Marzinho! Eu fotografei toda a cena de hoje à tarde e filmei. Fiz um pequeno texto e mandei para vários jornais. Provavelmente amanhã cedo, você será estrela”.

– Caralho Angélica! Por que fez isso? Não gosto de aparecer. Meu rosto deveria ficar em segredo. Amanhã não conseguirei sequer andar na rua. Vão falar e, caso a coisa pipoque contra aqueles policiais, posso arrumar treta com toda a corporação. Não tinha outro jeito não?

– Agora é tarde, amorzinho.

O que a empresária não sabia é que tudo o que ela fez ficou perdido, pois desligou tudo antes mesmo de as transferências se completarem, mas a mãe já tinha feito alguns contatos e se reuniria na manhã seguinte com as autoridades.

Diante do imponderável, restou a Márcio rezar para que nada fosse exposto, justamente agora que pretendia se aproximar do pai e dos outros dois irmãos.

Saíram da banheira, se secaram, ficando nus sobre a cama, deixando o sono chegar. Angélica antes de dormir foi se aninhando junto ao corpo do jornalista que a recepcionou como um Cavalheiro que ama muito a sua Dama.

Na manhã seguinte, foram tomar café na mesma padaria. Depois a arquiteta foi para o seu escritório. Márcio voltou ao apartamento para dar sequência em seu projeto da editora e se preparar para ir a Alemanha. Queria sondar o universo das editoras de lá e quem sabe comprar alguns direitos autorais para serem traduzidos no Brasil.

Do outro lado da cidade, Eleanora conversava com o secretário de Segurança do município para que fosse mediada uma conversa com o comando da polícia naquela mesma manhã. “- Não me interessa. Quero isso para agora. Se não acontecer, essas fotos, mais as imagens que eu tenho correrão o mundo e todos saberão o quanto nossa polícia é racista”.

O secretário fez a ligação e saíram em direção ao Companhia Militar. Lá chegando, Eleanora sentou-se e disse ao comandante. “- Quero esses homens aqui e agora. O senhor acha que essa é maneira correta de abordar uma pessoa?”.

– É mais um preto que precisa ser enquadrado, minha senhora. Nossos policiais não podem fazer corpo mole com essa gente, senão eles abusam.

– O senhor tem certeza do que está me falando isso?

– Tenho sim. Não vejo nada de mais nessas fotos. O negão aí deve ter tentado fugir e foi preso. Só isso.

O secretário de segurança tentava avisar o policial, mas foi em vão. “- O senhor vai chamá-los aqui ou terei que começar a tomar as minhas providências? Secretário afirme ao seu prefeito que a partir de amanhã minhas empresas deixarão as cercanias dessa cidade e vamos demitir todo mundo”.

– Dona Eleanora, a senhora não pode fazer isso!

– Posso sim, na medida em que meu genro é humilhado, ofendido por esses profissionais que são pagos com os tributos que minhas empresas revertem para a cidade. Não vejo sentido algum em ficar mais aqui.

Disse isso e quando foi se levantando, o oficial pegou o telefone e conversou com alguém e tentou mudar o tom da conversa.

– Senhor oficial. Eu tenho um vídeo que mostra desde o início da ação de seus comandados. Meu genro estava no banco do carona do carro de minha filha, aguardando enquanto ela resolvia uns problemas em nossas empresas, quando seus soldados arrancaram violentamente meu genro dentro do carro, dando tapas e chutes. Nessa cena aqui, uma pessoa que passava disse que se ele fosse levado à delegacia, seria testemunha dele. E esse soldado aqui afirmou que a testemunha dele estava dentro do revólver, ou seja, uma bala que poderia silenciá-lo e depois a alegação seria de que estava armado e reagiu.

Todos ficaram pasmos. Eneadora colocou em cima da mesa os nomes dos policiais, o prefixo das viaturas e o horário. “- Tenho certeza absoluta que se eu mandar esse material para os jornais com a informação de que minhas empresas estão deixando a cidade, alguém amanhã será exonerado, ainda mais se o alto-comando ouvir o que eu acabei de gravar. E agora, o senhor vai chamá-los aqui ou eu posso sair e deixar tudo com a imprensa?”

Não passou meia hora e todos os policiais estavam numa sala através do qual a empresária conferia tudo. Confirmou as identidades. “-São eles. E o que o senhor fará?”

– Seguir os trâmites!

– Se seguir os trâmites, meu genro estará morto antes do dia terminar. Entre esses soldados e o marido de minha filha, com certeza eu ficarei com ele. Amanhã quero ver nas páginas dos jornais a exoneração sumária deles. Eu posso lhe garantir que isso vai acontecer. Passar bem senhor oficial.

Ao chegar em casa, Eleanora ligou para a filha dizendo como conduziu tudo e a viagem deles à Alemanha veio em boa hora. Não havia saído nada nos jornais, mesmo ela tendo enviado para todas as mídias. “- Estranho mãe! Eu mandei, mas acho que não chegou ou aconteceu alguma coisa. Ainda bem! Depois eu percebi, em conversa com o Marzinho, que tinha sido precipitada”.

– Filha! Vem almoçar conosco. Judith quer passar mais tempo com o filho. Falou que você monopolizou o moleque dela.

– Está certo mãe!

O casal chega à mansão e a festa já estava armada. Amadeu ansioso e Judith feliz por ver o filho novamente. Quando ele chega de mãos dadas com Angélica, a mãe de Márcio já separa os dois. “- Minha senhora. Você já monopolizou muito meu filho. Deixa eu curtir ele só mais um pouquinho”. Levou Márcio para beira da piscina para conversarem sem ninguém por perto.

– Marzinho! Diga aqui para a sua mãe. Seja sincero! Você gosta mesmo dessa moça? Ela me parece meio doida da cabeça. Sem juízo algum e ainda por cima para que teve ou tem um relacionamento com outra mulher. Não tenho nada contra, porque cada um faz o que quer da sua vida. Mas estou preocupada contigo.

– Mãe! Vou ser sincero para a senhora. Eu amo a Angélica de paixão. De fato, é meio amalucada, mas entendo que é por conta dos ciúmes que sente. Tem esse lance com a professora com quem está casada há cinco anos. E sei que me ama também e que sou o seu primeiro amor.

– Primeiro amor com mais de 30 anos?

– É mãe! Essas coisas acontecem mesmo. Não é porque a pessoa está casada que significa que ama o nubente. Precisamos entender as circunstâncias desse casamento e porque as pessoas os mantém. Vou com ela para a Alemanha porque me pediu para confiar nela, mas não me envolverei na situação dela com essa antropóloga. Não quero ser motivo de briga entre casal algum.

– Marzinho! Não quero que tu sofras. Sei como ficou por conta daquela quenga da Márcia.

– Dona Judith! Eu só tenho duas saídas: lutar por Angélica ou desaparecer e eu já tentei, mas ela me achou lá na divisa do estado, me trazendo de volta. E sabe por quê? Porque eu a amo. Ela me ofereceu um cargo de executivo nas empresas dela e eu recusei. Eu não desejo o dinheiro dela, eu só quero ela. Eu amo a pessoa dela: desparafusada, ciumenta, mas é a pessoa com quem quero passar o resto de minha vida. Não consigo pensar e sentir diferente.

“- O que meu amor não consegue pensar e sentir diferente”, pergunta Angélica.

– Meu deus do céu! Você ama mesmo meu filho, hein dona Angélica.

– Dona Judith me desculpe, mas eu não consigo ficar muito tempo longe dele.

– Ele estava me falando de sua esposa que está na Alemanha.

Angélica ficou vermelha, como se o chão lhe faltasse.

– Me explique como é isso! Eu não entendi direito. Você é mulher! É casada com outra mulher e do nada está apaixonada pelo meu filho?

– Dona Judith. É uma longa história que não gostaria de aprofundá-la agora, mas eu posso lhe garantir que tem muitas coisas aqui dentro que estou buscando entender e disse isso ao seu filho. Não busco aprovação da senhora, mas sim dele. Porque é com ele que pretendo viver o resto da minha vida, esperando que a senhora não se oponha. Eu e o Marzinho estamos fazendo terapia juntos, justamente por conta disso. E, aproveitando que a senhora está aqui, farei uma pergunta a ele e quero que seja sincero, não comigo, nem com a senhora, mas com ele mesmo.

– Minha filha! Eu conheço o coração do meu filho e pelo que ele me disse vai contigo onde for preciso. Acabou de me dizer que te ama. Que você é amalucada, mas que te adora desse jeito e que é o seu primeiro amor.

– Pergunte Angélica!

– Márcio, aceitas ser meu esposo?

– Por que está me perguntando isso?

– Para que sua mãe tenha certeza do que eu sinto por ti e que vou entrar naquele avião na segunda-feira para terminar algo que não sei bem como e nem porque comecei. Se eu entender nessa viagem que tudo entre nós dois não passou de uma ilusão, voltarei para cá e direi a senhora que optei por ficar com a minha esposa.

– Você quer enlouquecer a cabeça do meu filho?

– Mãe! Por favor. Eu posso responder à pergunta de Angélica?

– Pode! Desculpe-me filho. Só não quero te ver sofrendo como há cinco anos.

– Aquilo já passou. Márcia não faz parte do meu presente. O que eu tenho agora é essa mulher de mais de 30 anos que está na minha frente e precisa que eu confie nela, para que o nosso futuro seja mais sereno do que o que temos agora.

– Obrigado Márcio. Te amo!

– Angélica! Não sei o que me espera na Alemanha, mas posso te dizer que se você não ficar comigo, te esperarei até o fim da vida. Não ficarei entre você e ela, mesmo querendo muito ser o seu esposo.

– Está certo filho. Eu te eduquei para ser uma pessoa de responsabilidade. De caráter. E tenho certeza que será um excelente amigo para Angélica. Eu espero sinceramente que se torne o marido que ela sonha que tu sejas.

Ao dizer isso, Judith puxou os dois para um abraço para fortalecer o amor dos dois. Nisso chegou Eleanora dizendo que o almoço estava pronto e que depois ela faria umas ligações e todos iriam à fazenda da família, passar o final de semana.

– Para a fazenda, mãe!?

– Sim minha filha. Se tu pretendes desposar o Marzinho, acho importante você estreitar os laços com a mãe dele. Não convém nora começar o casamento de rusgas com a sogra. Existem ex-muheres, mas ex-mães e ex-filhos não. Eu não vejo Márcio entre eu e você. Sendo assim, não quero vê-la entre ele e a mãe.

Quando todos caminhavam para o interior da casa, Angélica abraçou Judtih dizendo-lhe: “- Eu prometo …”, mas antes de terminar, foi interrompida de forma bem serena pela mãe de Márcio: “- Filha! Nunca prometa, mas realize. Faça o meu filho feliz. Isso é tudo que quero de ti. Mas se o tornar infeliz, aí a briga vai ser grande”.

As duas deram risadas, pois a arquiteta sabia o braseiro em que estava colocando a mão, então o melhor a fazer é trazer a sogra ao seu lado. Todos aguardaram na sala, mas Amadeu estava eufórico de mais.

“- Márcio! Finalmente minha felicidade está chegando. Já sonhei várias vezes com a minha Rainha de Ébano. Você e a Rainha diaba serão os nossos eternos padrinhos. Depois que eu entregar a ela todas as cartas que escrevi, te deixo ler e, se quiser e ela autorizar, podemos fazer um libelo ou uma ode ao amor, como disse aquele roteirista Marçal Aquino, é um verdadeiro ato subversivo. Então, nossas uniões serão revolucionárias, na medida em que daremos uma sapecada nessa ignorância que recheia e estrutura a ideia de que branco é superior ao preto. Eu sinceramente gostaria de saber onde”, disse o poeta com os olhos brilhantes e, pela primeira vez, o jornalista percebeu que ele mudava de cor, como os de Angélica.

Todos almoçaram com Amadeu sendo o centro das atenções, dizendo que ia declamar mil poemas para a sua amada. Que o amor dos dois seria o farol numa noite escura de tempestades. Que o coração dos dois se encontrariam com os raios que saiam da terra para iluminar todo o céu, abrindo um clarão para que a humanidade encontrasse o caminho para o paraíso. “Não é genial, meu caro repórter”, pergunta a Márcio.

Quando o jornalista ia responder, o poeta disse: “- Responda sem olhar para a Rainha diaba que o aprisionou naquela Torre feito aranha que prende o mosquito na teia. Fiquei sabendo que um certo inseto está até agora negociando com ela. Propôs uma partida de xadrez. Se ele ganhar, o aracnídeo tem que soltá-lo. Para quem você está torcendo, meu caro repórter”, questiona o poeta.

– Amadeu, vamos passar o final de semana na fazenda de sua mãe, então posso te responder depois? Até porque eu fiquei sabendo que as três mulheres vão se fechar entre elas e nós dois ficaremos isolados. “- Exatamente meu filho. Esses dois dias, ficaremos em conferência das bruxas. Sogra sempre foi considerada assim, então, eu e sua futura sogra vamos conversar com essa debutante aqui. Como ela conseguiu atravessar as linhas inimigas traçadas pelo seu coração, acho que merece umas vassouras”, lhe disse Judith e todos caíram na gargalhada.

Ao terminarem o almoço, Eleanora, que só ouviu a conversa dos participantes daquela comensalidade, pegou o telefone e ligou para um número. Entrou em seu escritório, falando com alguém importante da estrutura governamental. Ela lhe lembrou a campanha eleitoral, aproveitando para cobrar a doação feita por ela na candidatura do governador. “- Quero a exoneração desses policiais. Se não for possível, que sejam removidos e a partir de amanhã não atuem mais em minha cidade e região. Eu recebi umas imagens em que eles colocam uma arma na cabeça de uma pessoa em plena abordagem. Não quero mandar isso para os jornais. Então resolva isso e agora. Você tem 12 horas… Boa tarde…”

Assim que a ligação é encerrada, do outro lado da linha a pessoa que conversou com Eleanora estava possessa. “- Esses caras não sabem que não podem fazer isso em hipótese alguma e ainda em plena luz do dia”, disse para um assessor. “- Ligue para o comando daquela área e agora. Se ela colocar tudo isso no ventilador a coisa vai ficar complicada”.

De acordo com as ordens expressas, os soldados foram afastados das ruas e as transferências providenciadas. Naquela manhã de sábado só se falava na punição aos policiais por abuso de autoridade. Uma policial feminina disse para um deles: “- Bater em carapicu é fácil. Vai mexer com peixe graúdo. Fiquei sabendo que ela esteve aqui e a coisa fedeu até para o comando”.

– Você quer calar essa boca?

– Claro, meu caro Romeu, mas quem tomou no cu por conta da truculência não fui eu. Já contou para a corna da sua mulher que terão que deixar a cidade? E aquela amante que mantém com dinheiro de extorsão? Será que vai levá-la na bagagem?

O soldado engoliu a provocação da soldado Mariana, enquanto um sargento assistia a tudo e dava gargalhadas. Ele tinha feito vários alertas para o grupo que gostava de se exibir durante as abordagens. O sargenteante se aproximou e disse ao seu colega de farda. “- Quem avisa amigo é. Dê-se por satisfeito por não ter sido expulso”.

– Gostaria de saber quem é aquele macaco?

“- Acho que meu caro, macaco ou não, ele enfiou a banana dele no seu cu e você vai ter que pedir desculpas por estar de costas. Mas um passarinho me contou que ele, além de ser jornalista, é genro da ricaça. Aproveite e desinfete a cadeira. Não quero ela impregnada com a sua ignorância e racismo”, disse o sargento.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *