Entrelinhas dum país chamado Brasil

Gilberto Barbosa dos Santos

 

O escritor francês Marcel Proust (1871-1922), conforme tenho apontado aqui reiteradas vezes, afirmou que a leitura e os livros, respectivamente, nos abrem portas, sem os quais as mesmas permaneceriam fechadas. Na condição de leitor, cientista social, educador e, às vezes, um simples cronista ou coisa parecida, procuro sempre compreender, por meio de um processo tríplice, sem, no entanto, ser vertical, porém horizontal, caminhar a partir do avanço na leitura de uma obra, seja ela no âmbito sociológico, filosófico ou literário. Cabe aqui uma ressalva feita pelo semiólogo italiano Umberto Eco (1932-2016) em seu significativo livro Seis passeios pelos bosques da ficção (São Paulo: Companhia das Letras, 2004, p. 9). Segundo ele, toda enunciação é uma máquina ferramenta meio que preguiçosa, exigindo que o narratário complete com a sua visão de mundo as lacunas que os enredos apresentam. Pois bem, se isso é fato, então é importante entender o que significa enveredar pelas páginas de um clássico da literatura francesa como Os miseráveis [São Paulo: Martin Claret, 2014], do escritor realista Victor-Marie Hugo (1802-1885).

Mas, e o Brasil, perguntar-se-ão, meus leitores acostumados com as minhas inquirições semanais estampadas aqui neste espaço. O país que nos legou Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908), José Martiniano de Alencar (1829-1877), Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871) tem muitas narrativas capazes de fazer com que os brasileiros consigam, não só compreender o seu passado escravista, mas também como as medidas adotadas naqueles tempos foram ineficazes para transformar o elemento africano, de escravo em cidadão de fato brasileiro. E a pergunta que fica é: por qual motivo as ações respaldadas por leis foram e continuam sendo inócuas? Entretanto, não se pode manter a discussão somente no âmbito das questões étnico-raciais, é preciso avançar no entendimento do que leva a Nação a ser uma das em que a concentração de renda é uma das maiores do mundo. Aqui cabe um adendo, pois todos sabem que um país que não investe no seu setor educacional, está fadado a não conseguir construir o seu futuro.

Posto isto, entendo ter espaço aqui para uma singela pergunta: as mudanças são processadas a partir das esferas macros da vida ativa na sociedade? Interpelando de outra forma: é o Estado o catalizador, ou melhor, o ente responsável pela adoção das medidas necessárias para que se tenha uma educação de qualidade, cuja consequência seja um Brasil menos desigual, racista e preconceituoso? Se a resposta do meu caro leitor for sim, há que se acrescentar que um Estado não é um ser abstrato, embora seja essa sua natureza, entretanto, sua corporificação, isto é, sua personificação por meio das instituições constituídas para dar funcionalidade a esse ente que deve ser erigido a partir da vontade de seu povo, é fruto da ação conjunta de seu colegiado. Sendo assim, é possível vislumbrarmos, meus caros leitores, que as soluções muito acalantadas pelos brasileiros, não dependem somente de um governo, mas sobretudo de uma população com cidadania plena. Mas como isso é possível, se o que se vislumbra numa análise racional desta sociedade, é justamente um amontoado de indivíduos acostumados a delegar para outrem as ações que são próprias deles, sujeitos sociais.

Assim como afirma Umberto Eco a respeito das enunciações ficcionais, entender o atual quadro nacional exige do sujeito socializado um grau de compreensão construído a partir de certos princípios básicos norteados pela leitura, não só do que a sua mercadoria política pensa, mas também o que os adversários pretendem para equacionar os problemas sociais provocados por uma postura equivocada que vem, vamos dizer assim, desde a fundação da República brasileira, isso é, lá pelos idos dos Oitocentos. Muito se discute a partir do que indicava o jornalista, Aristides da Silveira Lobo (1838-1896), sobre os eventos da madrugada de 15 de novembro de 1889. Segundo ele, o povo assistiu a tudo como se estivesse vendo uma parada militar. Isso é fato ou mera especulação de um jurista-republicano desanimado com os rumos que o novo governo tomava? Parece-me que no presente, a questão não é bem ausência de participação, mas sim em que nível está essa presença do povo nas discussões dos destinos políticos, econômicos, sociais e educacionais deste país. Se é certo de que, sem investir em educação, nada caminha a contento, por que então o Brasil se encontra estagnado nesse campo, para não dizer que boa parte de sua população enxerga na educação dos filhos, custo e não investimento?

Novamente aqui recorro a um intelectual brasileiro e sua interpretação dos momentos fundantes desta Nação. Trata-se de Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) e seu livro Raízes do Brasil [São Paulo: Companhia das Letras, 2006]. Segundo ele, estaria na gênese deste Brasil dois elementos fundamentais que não permitiria o país caminhar de forma coerente – preciso ter claro que a primeira edição desta obra saiu em 1936. O primeiro elemento, sem seguir claro nessa ordem de minha exposição, dizia respeito às pessoas que vieram para o Brasil no período colonial: havia a ideia de se aventurar pelas terras de Santa Cruz em busca de riqueza, contudo, sem um planejamento e uma conduta racional e, ao que tudo indica, essa forma de se pensar o futuro ainda faz parte do presente de muitos brasileiros, daí a ideia de ser a educação um custo e não investimento, já que existe o desejo de se enriquecer rapidamente e a qualquer custo. Talvez esteja aí uma das raízes da corrupção endêmica que empobrece a maioria dos brasileiros, enquanto enriquece um quantum de plutocratas e seus burocratas sitiados na estrutura da administração pública nacional. O segundo eixo interpretativo foi definido por Sérgio Buarque de Holanda como sendo o complexo bovarismo, que pode ser resumido da seguinte forma: o brasileiro vive aqui, mas desejando estar em outro lugar, daí a ideia de que tudo que vem de fora é melhor do que o que se produz aqui no país. O conceito de bovarismo usado pelo autor de Visão do Paraíso [São Paulo: Brasiliense; Publifolha, 2000] remonta ao romance de Gustave Flaubert (1821-1880): Madame Bovary [São Paulo: Nova Alexandria, 2007].

Completo a reflexão com o seguinte olhar apresentado pelo pensador alemão Walter Benjamin (1892-1940) que, objetivando entender o conceito de história, afirmou que “o cronista que narra os acontecimentos, sem distinguir entre os grandes e os pequenos, leva em conta a verdade de que nada do que um dia aconteceu pode ser considerado perdido para a história” [Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 223]. Neste sentido, o leitor que pretender compreender o coronelismo brasileiro que ainda reina no presente, pode buscar fontes em romances como Gabriela, cravo e canela: crônica de uma cidade do interior [São Paulo: Companhia das Letras, 2008], do escritor baiano Jorge Amado (1912-2001). Soma-se a essa enunciação, o clássico da sociologia brasileira Coronelismo, enxada e voto [São Paulo: Alfa-Ômega, 1993], do jurista e ex-ministro do STF, Victor Nunes Leal (1914-1985). Creio que depois dessas análises completadas com a visão de mundo que o sujeito constrói a partir dos processos de socialização primária e secundária, é possível completar as lacunas que tais interpretações deixam para serem preenchidas pelos leitores e cidadãos com cidadania. É isso!

 

Gilberto Barbosa dos Santos, Sociólogo político, editor do site www.criticapontual.com.br, autor do livro O sentido da República em Esaú e Jacó, de Machado de Assis; professor no ensino médio em Penápolis; pesquisador do Grupo de Pensamento Conservador – UNESP – Araraquara e membro do Conselho Editorial e Científico da revista LEVS (Laboratório de Estudos da Violência e Segurança) – UNESP – Marília; escreve às quintas-feiras neste espaço: e-mail: gilcriticapontual@gmail.com, d.gilberto20@yahoo.com,   www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *