Olhar Crítico

Sinos

Quereria eu poder, meus caros leitores, iniciar esses primeiros olhares críticos de 2022 tratando de temática diferente, entretanto, como ainda o ser humano não se apropriou adequadamente de parte do conteúdo de um poema inglês do século 16, cujos versos são de autoria do poeta britânico John Donne (1572-1631), tratarei aqui do que, para muitos, seria mais do mesmo, entretanto, tudo indica que poderia ser diferente se os indivíduos seguissem minimamente um quantum significativo das recomendação dos cientistas e entendesse que “[…] a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntai: Por quem os sinos dobram; eles dobram por vós”.

 

Pandemia

O aforisma acima tem como escopo introduzir um assunto que todos são cônscios, no entanto, pela quantidade de casos de Covid-19 e suas variantes, não apenas aqui em Penápolis, mas no Brasil, no mundo, colocando as autoridades sanitárias em alerta, o problema não foi equacionado, todavia, há diversos fatores que deixam a sociedade refém de um vírus que dá volta no orbe e continua fazendo suas vítimas, como se as pessoas que padecessem desse infortúnio fossem incapazes de gerar sensibilidades naqueles que ficam. Entretanto, tudo indica que no momento não existe a solidariedade tão celebrada nos festejos natalinos. Será que pode ser atribuído a tais encontros registros de casos na casa das 171 notificações?

 

Vacinação

Quando a pandemia começou não havia nenhuma vacina contra esse vírus, entretanto, passados dois anos da explosão de ocorrências, há os mecanismos de proteção, mesmo tendo uns sujeitos negando tudo e achando que são os donos da verdade. Penso que meus leitores, assim como este que desenha as letras aqui todos os domingos procurando respostas para perguntas que nunca querem se calar, não devem levar em conta algumas toscas observações, pois o número de óbitos e de casos nesses 24 meses dizem muito mais do que verborragias toscas usadas para desviar a atenção dos cidadãos dos problemas que se acumulam no país nos últimos 36 meses. Não bastasse o fantasma do Covid, que assombra todos nós, ainda há a economia, que trôpega, caminha aguardando as próximas eleições. Bom! Essa é uma temática para ser tratada em outra ocasião.

 

Dados

De acordo com informações veiculadas por este jornal na última 5.ª-feira, a cidade havia registrados 171 casos de Covid-19. Como isso foi possível acontecer se, há 24 meses, se faz recomendações disso e daquilo, inclusive o uso diário de máscaras e álcool gel e, quando possível, manter o distanciamento social? Somando-se a esses registros, a cidade já ultrapassou a casa dos 10 mil infectados, sendo que 258 foram a óbito. Desse total, 148 homens e 110 mulheres. Como fiz ao longo do ano passado, continuo solicitando aos cidadãos prudência no trato com essa pandemia: ela é real e todos devem abandonar a ideia de serem super-homens. O vírus não escolhe categoria social, etnia, mesmo todos sabendo que a coisa não começou com os habitantes dos sopés das pirâmides sociais, entretanto, são os que mais sofrem com essa situação. Neste sentido, recomendo aos meus leitores uma leitura rápida do livro Notas sobre a pandemia, de autoria do historiador israelense Yuval Noah Harari.

 

18 mil

Interessante notar a quantidade de faltosos na sequência da imunização por intermédio de vacinação contra o Covid-19 em Penápolis. De acordo com dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, 18 mil deixaram de tomar a dose do medicamento, sendo que desse total 3.131 dizem respeito à segunda dose da vacina e mais de 15 mil são alusivos à não tomarem o reforço. A fala do secretário, o médico Luiz Washington Bozzo Nascimento Filho, é bem enfática: “a vacina é a nossa salvação”. Isso é fato, mas parece que não vem sendo levado à risca pelos mais de 18 mil faltosos e também por aqueles que não seguem os protocolos, conforme amplamente indicado aqui por este colunista e em outros textos publicados nesta página.

 

Protelação

Destaco aqui a importante ação da municipalidade local em adiar por tempo indeterminado o famoso Torneio dos Cobras e Cobrinhas que tanto abrilhanta as férias escolares na cidade. Muitos podem chiar, como é praxe numa democracia, entretanto, o gestor, sobre quem recairá as consequências de uma aglomeração como a que acontece durante as partidas, precisa ser racional e atender os preceitos científicos e não os apelos emocionais e quiçá econômicos daqueles que faturam o seu quinhão com o torneio. Na cidade vizinha, Alto Alegre, também ações nesse sentido foram adotadas pelas autoridades municipais que estão pensando na vida dos altoalegrenses, como o prefeito de Penápolis, raciocinou sobre os penapolenses, de um modo geral.

 

Solidariedade

Retornando ao primeiro aforisma deste domingo, é sempre bom recordar que no momento crítico em que a sociedade vive é preciso que cada um, a seu modo, sem precisar de holofotes e até mesmo do espelho da madrasta da Branca de Neve, seja mais solícito com o seu semelhante. Se festejou abundantemente nesses últimos dias, mas basta uma caminhada pelas ruas da cidade, principalmente na área central para os olhos flagrarem quantidades significativas de pessoas esmolando. “Há algo de muito podre no reino da Dinamarca”, como se diz o velho adagio, já que o Natal esteve aí e nem assim, muitas pessoas deixaram os confortos de suas consciências para lançar, mesmo que de soslaio um piscar fraterno para aqueles que estão em situação periclitante nas ruas da cidade.

 

Universalização

Sendo assim, fico cá com uma pequena interpelação: o que será preciso para amolecer o coração petrificado daqueles que vociferam aqui e ali serem isso e outras coisas mais, contudo, não conseguem agir de modo diferente quando se trata do seu semelhante? Neste sentido, Immanuel Kant (1724-1804) foi brilhante ao dizer em seu pequeno livro Fundamentação para a metafísica dos costumes, que o sujeito social deve agir seguindo a máxima de que sua ação deve ser universalizada. Posto isto, será que estamos vivendo um período em que o pronome possessivo “meu” tem mais importância do que o coletivo “nosso”? Só para encerrar esses primeiros olhares de 2022, vos pergunto meus caros: é justo alguém passar fome quando outros tantos esbanjam comida? gilcriticapontual@gmail.com, d.gilberto20@yahoo.com,   www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *