Sobras de um amor …

58

 

            Conforme o combinado, às 18h30 Márcio recebeu a foto da mulher desaparecida. Deu um tempinho e a enviou a Angélica que estava no local informado no meio da tarde. Levou um susto quando viu. Engoliu seco. Queria berrar, xingar, chutar, mal dizer o dia em que conheceu Rosangela e, sobretudo como fora inocente. Se segurou para não estragar o combinado com o repórter, mas sabia que havia muita maldade ali. Alguém estava querendo se vingar. Não do irmão, mas do pai. Como não podia medir forças com Jovelino, usaram, de certa forma, o irmão. Precisava avisar Márcio para que tivesse cuidado. Não podia ligar, mas enviou uma mensagem direta: “Márcio, cuidado. Se Tarsila for essa da foto que acaba de me enviar, eu a conheço”.

Márcio abriu o recado e ficou em silêncio. Passou rapidamente pelo bar. A tarde havia mandado uma mensagem para Amadeu dizendo que queria encontrar com ele no bar da Net. Ele estava no mesmo local. Percebeu que tinha mais gente do que o habitual para aquele horário. Entrou, cumprimentou todos e Amadeu que fez a festa ao vê-lo. O repórter prestou mais atenção para tentar adivinhar como o irmão da arquiteta estava naquele final de tarde começo de noite.

– Meu caro repórter! Tenho tanto para lhe falar hoje que nem sei por onde começar. Minha analista disse que eu não devo desistir da minha Rainha Preta. O mundo terá que aceitá-la e se isso acontecer, seremos muito felizes e vamos escrever versos no céu. Já imaginou, eu piloto dum daqueles aviões da esquadrilha da fumaça poetizando entre as nuvens versos com o nome de minha Tarsila e depois despejando sobre os homens um punhado de rosas brancas? Genial. Já tenho tudo prontinho. Vamos nos casar entre as estrelas. Durante a troca das guardas celestiais.

– Sua terapeuta? Desde quando você faz terapia, Amadeu? Você nunca me falou dela.

– Já te falei sim. Ela tem um péssimo hábito. Quando fala comigo, gosta de contorcer e passar a língua nuns insetos. Eu acho estranho, mas fazer o quê? Cada um gosta de uma coisa! Eu por exemplo, gosto de jogar xadrez e ler o Fernando, excelente Pessoa poética, enquanto converso com a minha terapeuta.

Márcio percebeu que Amadeu estava misturando coisas reais com o mundo animal, poesia, dança e nada disso fazia sentido, a não ser que descobrisse quem era de fato essa analista que se contorcia e adorava inseto. De repente, o jornalista compreendeu que o amigo estaria falando de algum animal ou inseto que por ventura vem ter alguma estimação por ele, talvez uma lagartixa.

Enquanto Amadeu colocava uísque no copo do repórter, este pediu para ir ao banheiro. Já no compartimento, mandou mensagem pedindo para Angélica aparecer que ele buscaria Tarsila. Saiu do bar, sem que Amadeu percebesse e outras pessoas que lá estavam, principalmente Rodolfo que conversava animadamente com um musculoso que provavelmente era um dos seguranças contratados e pagos indiretamente com o dinheiro da arquiteta.

Márcio viu Tarsila pela primeira vez e entendeu porque tinha a sensação de conhecer a voz. Porém, não era bem a voz que o havia chamado atenção, mas o próprio vulto que viu indo embora da praça. Tarsila era parecidíssima com Rosângela, contudo, era mais alta e um corpo mais sarado do que da antropóloga. Mas o andar era o mesmo. Diante da cara de espanto que fez, a moça já se apresentou de forma direta:

– Boa noite! Não estranhe nada! Sou irmã de Rosângela. Vamos até o Amadeu. Quero acabar logo com isso. Sei que não terei futuro com ele, então porque demorar mais com essa lenga-lenga toda.

– Tudo bem. Ele está no mesmo lugar de sempre.

– Não se preocupe. Eu sei. Vi quando ele chegou. E sei quando ele vai embora. Daqui a pouco, olhará para o relógio pegará a garrafa e irá embora. No trajeto daqui até a casa dele, haverá dois carros com quatro seguranças dentro que o acompanhará sem que saiba. Quando ele entrar dentro do prédio, mandarão mensagens para o todo poderoso doutor Jô. Quando entrar no apartamento, outros passarão as mensagens e as câmeras de dentro do apartamento serão conectadas a uma central dentro da mansão deles. O velho bichado monitora tudo de sua cadeira de roda.

– Como sabe disso?

– Tinha uma fonte que trepava com a irmã dele. Já se esqueceu que Rosângela se casou com Angélica.  Aquela arquiteta desmiolada e arrogante como todos daquela família. Ainda bem que minha mana está a caminho da Alemanha e ficará longe dessa doença racista que impregnou todos, menos o meu Amadeu. Infelizmente, por ver o meu amor neste estágio, me juntarei a ela na Europa. Meu voo sairá daqui a dois dias. Também ficarei longe de tanta arrogância, dinheiro que não compra nada, exceto pessoas sem caráter. Mas o corpo vai levado pela razão, mas o coração fica atado pelo amor que tenho por ele.

Entraram no bar e Amadeu quando viu Tarsila, berrou de felicidades.

– Minha deusa, minha rainha de ébano! Você voltou!!! Amanhã mesmo podemos marcar a data do casamento e hoje mesmo vamos para o nosso apartamento. Coloquei um imenso tabuleiro de xadrez para jogarmos. Nem um rei branco e arrogante vai tombar o nosso rei do amor. Confia em mim. Quando o dia amanhecer, estaremos abraçados curtindo nossa lua de mel entre as estrelas.

Tarsila fez um gesto para Márcio se sentar, enquanto conversavam. Márcio observou que do nada o bar ficou sem quase ninguém. Também optou por se afastar do casal. Não daria um de bisbilhoteiro, escutando conversa alheia. Encostou no balcão e pediu uma cerveja.

Antes mesmo de terminar a frase, Marcos perguntou:

– A dona da pensão está deixando o passarinho beber. Olha o que eu lhe disse outro dia: passarinho que anda muito com morcego, pode um dia acordar de cabeça para baixo. Muito álcool, meu caro Márcio, pode afetar as cabeças. E quando elas não funcionam, as mulheres costumam trocá-las pelos musculosos. Você pode ter uma certa inteligência, mas não tem dinheiro e nem é musculoso, além de ser chifrudo. Será que a dona dos olhos brilhantes e esverdeados feito esmeraldas sabe que tu tens um enorme enfeite na testa?

– Porque você não vai tomar no olho do seu cu e coloca logo essa cerveja. Não pedi sua opinião, abelhudo do caralho!

Quando terminou de falar, Angélica entra pela porta do bar. Todos viram quando a dona do boteco chegou. Cumprimentaram-na como verdadeiros serviçais, só faltando limpar com a língua o chão que ela pisava. A arquiteta olhou para Márcio e perguntou: “- E ai, como estão as coisas?”

Só com o olhar Márcio indicou a mesa dos dois. A arquiteta cochichou no ouvido do jornalista a informação mais louca que ele poderia ter naquele começo de noite.

– Tarsila é irmã de Rosângela. E não saia lá de casa. Praticamente picava ponto todos os dias. Se a minha esposa estivesse em casa, era certeza, Tarsila aparecia e entravam no quarto de hospedes e ficavam horas conversando. Algumas vezes chegou até dormir no apartamento.

Angélica foi dizendo e puxando Márcio pela mão, chegando perto do casal que levou um tremendo susto, porque foi justamente nesse momento em que Tarsila acalmando Amadeu lhe dizia:

– Você é um homem genial, sensacional. É o que toda mulher sonha em ter como parceiro: amigo, companheiro, inteligente e sobretudo sexualmente belo. Pena que nasceu numa família doente, em que o principal psicopata é seu pai. Com o dinheiro que tem pensa que pode comprar tudo e todos, mas nem todo mundo está à venda, sobretudo, o meu amor por você que é etéreo. Pode passar o tempo que for, o que sinto por ti, filho da puta nenhum vai tirar. Mas como sei que tua família vem em primeiro lugar e teu pai, o doutor Jô, não vai nos dar sossego, optei por ficar no meu lugar de sempre: mulher, preta que luta para deixar sua condição. Fique aí com a sua irmã que eu vou me juntar à minha na Alemanha, viu dona Angélica!

Angélica sentiu a ênfase nas últimas palavras e como as mesmas tinham um certo rancor na fala de Tarsila que se levantou. Márcio percebeu que as duas tinham quase a mesma altura, parecendo uma Rainha Preta e uma Rainha Branca. Enquanto olhava para as duas, Márcio se sentou à mesa com Amadeu, para que este não saísse, mas este parecia estar em plena letargia, ficou paralisado feito mosquito na teia.

– Dona Angélica, se minha irmã tivesse me escutado desde o início, não teria se envolvido com a senhora e sua família. Mas sabe como é, toda aquela conversa de liberdade, de queimar sutiã e outras coisas que não vem ao caso aqui, deu no que deu… só tristeza … Acho que o moleque de recados, traiçoeiro, capitão-do-mato lhe contou o que o teu pai fez comigo e com o seu irmão: nos tornou dois infelizes. Márcio, se estiver pensando em ter algo especial com ela, cuidado com o chicote do pai e a alienação da mãe que acha o casal de filhos o mais perfeito do mundo, mas não sabe o quanto Jô, o coronel pós-moderno, é letal aos próprios filhos quando se junta com o coronelismo jurídico. Você sabe como eles desenterram a sua história de chifre, que você foi traído na véspera do casamento. A situação foi armada para satisfazer uma birrazinha da filhinha com os pais que não gostava de preto e você foi o escolhido para estigmatizar a família dela. Então se liga, meu amigo! Saia dessa quiçaça antes que não tenha mais saída e vire papel de limpar a bunda dessa gente. Minha irmã sabe o quanto sofreu contigo e sua turma, minha cara Angélica!

Ao terminar de dizer isso, voltou para a cadeira e deu um longo beijo em Amadeu, dizendo-lhe:

– Adeus meu amor! Quem sabe um dia, quando a cor da pele não importar mais, poderemos viver aquilo que nossas almas já conhecem e compartilham. A matéria é muita densa, tosca e primitiva e não entende o que acontece com o universo quando duas almas que se amam, se encontram: uma explosão atômica. Eu vou, mas meu coração fica contigo. Pegue. Esse é o meu presente pra ti. Tua rainha fantasiada com a cópia do lingerie que você tanto gostava de ver eu usar, ganhando contornos maravilhosos com os jogos de luzes que eu preparava para ti. Uma pena que não pudemos realizar esses e outros desejos que nossas almas tanto anseiam.

Ao levantar para sair, Angélica pegou Tarsila pelo braço para se desculpar, mas a rainha de ébano se desvencilhou dizendo entre os dentes: “-Peça desculpas a alma do seu irmão. Tua família é de bosta. Comem o dinheiro e arrota a ignorância. Desejo sinceramente que Amadeu recupere o juízo e de um jeito de fugir de vocês. Corre dela Márcio!”

Tudo pareceu parar e Tarsila desapareceu na noite, como Amadeu costumava fazer. Márcio olhava para ele sem saber o que fazer. Ele dizia chorando para o amigo: “- O que vou fazer agora. Não consigo pensar em nada. Ela apareceu e desapareceu como em meus sonhos!”

Angélica se sentou ao lado do poeta incompreendido pelos pais, dizendo-lhe:

– Vamos para casa meu irmão. Você vai ficar bem. Eu te garanto e, se ela te ama mesmo como disse e eu acredito nela, quem sabe um dia ela volta.

Amadeu olhou para Márcio, lhe perguntando: “-Você vai comigo, meu amigo. Estou com medo de ficar sozinho e as lingeries me enforcarem essa noite. Mas eu quero ficar vivo para vê-la voltar”.

Angélica, olhando para Márcio, disse que o levaria para sua casa. Não tinha como deixar Amadeu sozinho no apartamento. “- Você me ajuda com ele. Parece que confia muito em você!”

Olhando para o amigo que estava deitado no colo da irmã, assentiu com a cabeça.

 

***

Enquanto a cena quase que final, pensando bem, nada tem fim, pois tudo se transforma a partir de algo que precisa de mudanças, no teto do estabelecimento que Angélica havia montado para atrair Amadeu, um mosquito conversava com a aranha que o havia aprisionado. O aracnídeo dizia sorrindo: “-Chegou sua hora. Perdeu a aposta. Achou que Tarsila ficaria com Amadeu e este ficaria bom num piscar de olhos, só por conta do amor. E não foi nada disso. Há dias que estou esperando para jantá-lo”.

O mosquito, como todo bom político, tentou um habeas-corpus. Propôs para a aranha uma partida de xadrez, inclusive lhe dando o empate. Mas queria começar com as peças brancas. O aracnídeo pensou, pensou, já que tinha outros mosquitos para ingerir, topou a partida proposta por dom mosquito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *