As adjetivações e suas problemáticas

Gilberto Barbosa dos Santos

 

Por mais que eu pense, procure lá em minhas memórias, não consigo encontrar ninguém que viva sem uma adjetivação, como aquelas que constam no Morte e vida Severina, texto de João Cabral de Melo Neto (1920-1999). A questão passa a ser não as qualificações em si, mas o sentido dela e os valores que o meio social atribui a elas. Se por um lado, há o ser que, para se tornar um indivíduo em si, precisa compreender os significantes e significados que envolvem as adjetivações dos quais é portador, por outro faz-se necessário entender a importância de ser portador de tal identidade predicativa. No pensamento socrático, a questão não era o sujeito, pessoal e gramatical, mas aquilo que o personificava, dourava, por assim dizer a sua personalidade e representação social. Foi pensando nessa problemática que resolvi gastar umas linhas neste espaço hoje. O meu escopo é compartilhar com vocês, meus caros leitores, um quantum da inquietação que carrego já mais ou menos três décadas, pois a questão não é o predicado, mas quem o dá vida e por que faz isso. Toda vez que vai se conversar sobre um assunto, é como se o interlocutor precisasse saber que lado da peleja se está, como se fosse uma partida de futebol. Agindo assim, me parece que cada um dos lados da contenda se enveredasse em sua zona de conforto, onde se sente mais seguro. Sendo assim, o outro precisa ser isso e aquilo e caso ele se recuse a assumir tal papel, deixa a conversa trôpega.

Por que será que em uma discussão sobre política, papel do Estado, o atual governo ou o anterior ou até mesmo nas gestões tucanas, é preciso se colocar num dos campos de batalha? É tão complicado expor o que se pensa usando os processos históricos, principalmente o dos últimos 30 anos do Brasil, mais especificamente a partir de 1988 quando foi promulgada a Constituição Brasileira, adjetivada por Ulisses Guimarães (1916-1992) como sendo a “Constituição Cidadã”. É interessante perguntar: qual foi o melhor governo federal nessas três décadas? Acrescente o motivo que leva o sujeito social a indicar este ou aquele. Mas, e a gestão anterior, o que fez para que essas questões fossem resolvidas no governo em que tudo foram rosas e a pobreza extinta? Parece-me que a discussão sempre despenca pela defesa de uma mercadoria política específica e tudo não passa de uma partida de futebol entre Palmeiras e Corinthians ou um Flamengo e Fluminense. Por que o ser humano tem dificuldades em compreender que o lado que ele defende compõem um todo mais orgânico, mais amplo? Para não vos cansar com as minhas admoestações e demais interpelações, pretendo me deter nessa última pergunta: por que os discursos dos postulantes aos cargos eletivos sempre estão recheados verborragias e outras palavras-de-ordem como combater a corrupção, equacionar as querelas no campo da saúde, devolver o emprego perdido para a tecnológica e uma educação de qualidade, creche para todos? Interessante notar que, assim que se consegue o objetivo, isto é, ser eleito, tudo muda e o eleitor fica com cara de tacho, como se diz no jargão popular. E a coisa fica mais cômica quando operações do Ministério Público desvendam corrupções nos bastidores de palácios e demais paços municipais. O descalabro fica mais evidente quando mercadorias-política fazem uso de muita verborragia para esconderem tais ações da promotoria pública.

Como havia prometido nas linhas acima, não pretendo perguntar mais, meus caros leitores, mas quem sabe eu consiga levá-los a uma reflexão mais coerente, como naquela questão em que o professor escreve na lousa 1,2,3 e pergunta aos estudantes qual é o próximo número. Rapidamente a resposta poderia ser 4, todavia, não é, pois se assim fosse não haveria necessidade da pergunta, portanto, se a interpelação foi feita, é preciso olhar com a devida acuidade. Rapidamente é possível entender que o próximo número é o 5, já que da maneira como os algarismos estão dispostos se pode verificar que 1+2=3, então o seguinte seria formado pela operação 2+3=5 e por aí vai. Mas por que estou enveredando por esse campo matemático? Para tentar simplificar uma ação do sujeito eleitoral: na maioria das vezes o voto é uma reação e não uma ação. De chofre o sim pode aparecer como uma ação, entretanto, como se vive um momento de muita reatividade, então se escolhe seu candidato com base no ressentimento e em virtude disso não é possível analisar com o mínimo de coerência o que as gestões anteriores fizeram, se mantendo apenas na superficialidade de tais compreensões. A minha ideia nas linhas confeccionadas para hoje objetiva tão somente fazer com que as pessoas que percorrerem os parágrafos formadores deste texto, façam uma fecunda reflexão não só sobre o hoje e o breve passado concluído em 2018, mas que ousem e busquem lá em 1989, quando da primeira eleição presidencial pós-ditadura militar, subsídios para se pensar o presente. Leiam com a devida acuidade os discursos daqueles postulantes à presidência da República e todo o processo histórico que se fez a partir de 1.º de janeiro de 1990.

A cidadania é uma construção e não um presente dado pelo governante, seja ele quem for. Portanto, não se deve aplaudir político quando ele envia uma ambulância para o seu curral eleitoral, ou se o prefeito está inaugurando uma ponte. Afinal, ele foi eleito para fazer isso e outras cosias, sem haver a necessidade de aplausos, pois chefe do Executivo recebe seu salário mensal para trabalhar e não ficar de mutretas nos bastidores do poder e, quando é descoberto pela Promotoria Pública afirma que os promotores estão pegando no pé por conta de merreca. O eleitor-patrão consciente deve ousar mais, precisa ajudar a esclarecer aqueles que têm dificuldade em entender a panaceia política e o emplastro governamental que os candidatos querem vender ao sujeito social mais desavisado. Todavia, a tarefa não é fácil, tendo em vista que a maioria já tomou uma posição e tem dificuldade de compreender o que se escuta e o que está sendo propalado com único objetivo de esclarecimento. Desta forma, as conversas parecem mais um tartamudear sem fim, necessitando da adjetivação, de que tratei no início de nossa conversa, para tentar colocar uma pequena ordem no que se diz e se está ouvindo. Neste sentido, parafraseando Immanuel Kant (1724-1804), o mais importante não é discutir a existência ou não da cadeira, mas trabalhar para entender a qualidade dos sentidos que são usados na identificação do objeto cadeira. Nesta linha de raciocínio, me parece que o mais apropriado não é rebater quem defende a sua mercadoria-política, mas por que o faz e como faz.

Creio que isso só pode ser possível quando se adjetiva o interlocutor, lhe dando valores, mesmo que este não seja portador dessas acepções, é preciso nomeá-lo e espalhar tais imperativos como sendo verídicos. Assim quem nunca defendeu ideias chamadas de direita acaba sendo taxado de liberal e há também aquele que não é de esquerda, mas é adjetivado de esquerdista somente porque propõe uma discussão mais racional de determinadas questões. Talvez o problema de tantas querelas aqui e ali, com pessoas se engalfinhando através de verborragias toscas, seja o fato de se observar tudo pelo verniz do “ouvir dizer”, ou melhor, do senso comum, e quem diz se coloca como o portador de um discurso com forte veracidade. Lamentável a sociedade que tem envergadura para manter posturas autoritárias independentes de que lado elas provenham, já que o objetivo é adjetivar o interlocutor, antes mesmo de ouvi-lo ou entender como se dá a construção de seus argumentos. Enfim, numa querela, que não é a das investiduras, os litigantes, quando a temática da peleja for a política, a religião e o futebol, entre outros, que os sujeitos sociais entendam que cada um tem o direito de pensar diferente e respeitar a democracia: pode não ser a melhor do mundo, mas é a que temos e todos devem trabalhar para que seja aperfeiçoada. O resto é tosca adjetivação que não resiste a maiêutica socrática.

 

Gilberto Barbosa dos Santos, Sociólogo político, editor do site www.criticapontual.com.br, autor do livro O sentido da República em Esaú e Jacó, de Machado de Assis; professor no ensino médio em Penápolis; pesquisador do Grupo de Pensamento Conservador – UNESP – Araraquara e membro do Conselho Editorial e Científico da revista LEVS (Laboratório de Estudos da Violência e Segurança) – UNESP – Marília; escreve às quintas-feiras neste espaço: e-mail:   gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *