Filhos da época

Filhos da época

Somos filhos da época

e a época é política.

 

Todas as tuas, nossas, vossas coisas

diurnas e noturnas,

são coisas políticas.

 

Querendo ou não querendo,

teus genes têm um passado político,

tua pele, um matiz político,

teus olhos, um aspecto político.

 

O que você diz tem ressonância,

o que silencia tem um eco

de um jeito ou de outro político.

 

Até caminhando e cantando a canção

você dá passos políticos

sobre um solo político.

 

Versos apolíticos também são políticos,

e no alto a lua ilumina

com um brilho já pouco lunar.

Ser ou não ser, eis a questão.

 

Qual questão, me dirão.

Uma questão política.

 

Não precisa nem mesmo ser gente

para ter significado político.

Basta ser petróleo bruto,

ração concentrada ou matéria reciclável.

Ou mesa de conferência cuja forma

se discutia por meses a fio:

deve-se arbitrar sobre a vida e a morte

numa mesa redonda ou quadrada.

 

Enquanto isso matavam-se os homens,

morriam os animais,

ardiam as casas,

ficavam ermos os campos,

como em épocas passadas

e menos políticas.

 

[Wislawa Szymborska. Filhos da época (Dzieci epoki). Poemas. Trad. Regina Przybycien. SP: Cia das Letras, 2020, p. 77-78]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *