Olhar Crítico

História

Todos que leem meus aforismas dominicais e as maus traçadas linhas que estampo aqui no INTERIOR às quintas-feiras sabem do meu apreço pelo escritor carioca Machado de Assis (1839-1908). O gosto pelas enunciações machadianas me levou a produzir vários trabalhos sobre as narrativas confeccionadas pelo Bruxo do Cosme Velho, em sua maior parte, na segunda metade do século XIX. E um desses romances, me chamou a atenção por conta de seu conteúdo enfocando um dos momentos mais capitais da vida brasileira: a passagem da Monarquia à República (15 de novembro de 1889), sendo como consequência de vários fatores, entre eles, o fim da escravidão e as querelas com os bispos e o Exército.

 

Esaú e Jacó

Neste enredo, intitulado Esaú e Jacó – reportando duas figuras mitológicas da Bíblia, mais especificamente no Antigo Testamento e uma dupla do Novo Testamento: Pedro e Paulo – o leitor encontrará a batalha entre dois irmãos gêmeos que divergem em tudo, exceto na paixão pela jovem Flora, filha do casal Batista – carreirista no cenário político monárquico-republicano. E a exemplo do que acontece na enunciação sagrada, um dos filhos é o preferido da mãe Natividade. O escritor Milton Hatoum escreveu um significativo romance intitulado Dois irmãos, cuja história se passa em Manaus, capital amazonense.

 

Dança

Meus leitores devem estar se perguntando por que eu estaria tratando dessas duas narrativas aqui numa coluna destinada a observar, através de olhares críticos – nem favoráveis e nem contrários, mas apenas imparciais – o cenário local? Para ressaltar as danças políticas que serão ensaiadas até o próximo baile político a ser realizado em outubro de 2020. Desta vez, a festança acontecerá nos mais de cinco mil municípios brasileiros e, aqui em Penápolis, não seria diferente. Resta saber como os pares serão formados. Pelo andar da carruagem, é possível que haverá corintiano dançando com palmeirense na maior alegria. Coisa pouco provável de se acontecer, pois como dizia a personagem interpretada por Lima Duarte no filme Boleiros: “você sabe o que é um Palmeiras e Corinthians?”

 

Namoro ou amizade?

A coisa mais improvável de se acontecer seria PSDB e PT de mãos dadas caminhando juntinhos até as urnas. Pois é, meu caro leitor, isso pode ocorrer, objetivando romper com o reinado do atual mandatário que deseja cacifar o emedebista Carlos Alberto Feltrin – seu atual vice – para sucedê-lo. Eu cá, com as minhas ciências sociais, quero entender como isso vai se processar, pois o chefe da paróquia penapolense apostou no vice de Geraldo Alckmin (PSDB), e foi derrotado e, de chofre, expulso do partido que ajudou a implodir por desejo de estar bem próximo do ninho tucano no Palácio dos Bandeirantes. Desde então, têm sido frustradas a realização de algumas promessas, inclusive caso estas não acontecessem, faria greve de fome – lógico que essa observação é para lá de estapafúrdia e ninguém a levou a sério.

 

Educação e política

Agora que alguém do núcleo da Fundação Educacional da cidade iria participar do pleito do ano que vem, com fortes chances de protagonismo, não haveria dúvida. Todavia, é preciso aguardar o andar da carruagem política para saber até que ponto esse protagonismo vingará. A questão é simples: tanto PT quanto PSDB estão esfacelados aqui em Penápolis. O primeiro por conta de alguns de seus membros insistirem na campanha de “Lula livre” – cada um defende aquilo que pensa ser o certo. O segundo, diz respeito à intervenção vinda de São Paulo provocada pelas mazelas no interior da legenda, em virtude do desastroso apoio dado pelo prefeito local à campanha do vice de Alckmin derrotado pelo atual governador. As consequências dessa escolha, todos já sabem e ainda deverá deixar um respingo muito forte naquele que for ser o ungido do demiurgo da política local em 2020.

 

Trebelhar

Até aqui o trebelhar diz respeito aos partidos já conhecidos e as figurinhas carimbadas do cenário político penapolense: uns afirmando que deixarão o cenário, outros ainda timidamente resenham a pretensão de tentarem a reeleição para a Câmara de Vereadores, contudo, temem uma forte rejeição tamanho fiasco que foram suas gestões como representantes do povo. Há aqueles que ficaram de fora há quatro anos, mas agora creem que chegou o momento de conquistarem uma cadeirinha no legislativo local. Contudo, tudo dependerá da benevolência do povo – aliás, este sem cidadania aprova qualquer um que, durante o pleito, garanta pão e segurança [olha o resultado das últimas eleições].

 

PSL

Mas como ficará aqueles partidos que começaram a aparecer no cenário nacional, ou já existiam, mas foram projetados após a eleição presidencial? Onde estes se encaixarão? O PSL recentemente, conforme informações que chegaram até este colunista, estaria sofrendo com infiltrações orquestradas por um líder da política penapolense, inclusive com puxada de tapetes e outros lances que no futebol seria adjetivada como carrinho ou solada. A questão é emblemática, porque no plano nacional essa legenda já sofre com algumas acusações de ações corruptas com candidaturas fantasmas ou de mulheres que deveriam apenas receber recursos do fundo partidário e devolvê-los aos mandatários a legenda.

 

Novo

Se lá pelos lados do PSL a luta promete ser hercúlea, o que será que está acontecendo com o Novo?  Depois do sucesso partidário alcançado com a eleição do governador de Minas Gerais, a legenda faz jus ao nome que recebe, trazendo novidades para o cenário da combalida política nacional, será que teremos candidaturas ao cargo máximo da cidade, ou o partido irá se organizar apenas para disputar as 13 vagas do legislativo? Parece-me que os penapolenses terão que aguardar mais um pouco, contudo, de olho nos partidos tradicionais, mesmo que estes estejam em frangalhos.

Beneficente

No próximo sábado, o CEAK (Centro Espírita Allan Kardec) realiza a sua pizza solidária. São iguarias de calabresa e mozzarella que podem ser retiradas entre às 11h e às 14h na sede do CEAK. O valor de cada unidade é R$ 20 e a receita será destinada aos trabalhos sociais desenvolvidos pelo Centro Espírita. Aqueles que pretenderem adquirir as pizzas é só comprá-las com antecedência com os integrantes do Centro Espírita Allan Kardec. E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *