Olhar Crítico

Literatura

Começo meus olhares dominicais escudando-os num pequeno fragmento do clássico A comédia humana, de Dante Alighieri (1265-1321), mais especificamente a abertura do canto 1 do livro O inferno. “No meio do caminho de nossa vida, me encontrei em uma selva escura, por me haver desviado do rumo certo. Bem penoso seria dizer quanto era selvagem, rude e espessa aquela selva, cuja recordação traz o medo de volta! Medo tão forte que quase supera o da morte!” Por que será que estou começando as reflexões de hoje buscando guarida num clássico da literatura universal, composto por um italiano num período em que a Igreja ditava as regras da vida na sociedade europeia na Idade Média?

 

Respostas

A esta pergunta o leitor, que se ocupar em responder sem percorrer as páginas que formam a obra medieval formada pelos livros Inverno, Purgatório e Céu encontrará uma miríade de respostas. Pode se deter apenas às linhas confeccionadas pelo autor, inclusive encontrando motivos para compreender algumas expressões, como cenas dantescas alusivas ao conteúdo do romance, mas também compreender o calvário que muitos dos nossos políticos percorrem, incluindo aí o pacto firmado pela personagem principal de O retrato de Dorian Gray significativa enunciação de Oscar Wilde (1854-1900). Esse acordo apresenta ao leitor do que é capaz o sujeito que busca sucesso, fama e alimentar o próprio ego, adubando a sua presunção. Se o cidadão com cidadania olhar – sem pedir arrego para o ponto de fuga – para o horizonte da capital federal, para os palácios estaduais e os paços municipais, entenderá o que Dante tentou transmitir ao homem do século XIII, contudo, permanecendo até o presente.

 

Consórcio

Fracassada a tentativa de presentear o penapolense com o AME (Ambulatório Médico de Especialidades) – já que era promessa de campanha – restou ao atual gestor público penapolense voltar aos braços do Cisa (Consórcio Intermunicipal de Saúde). Atitude alvissareira, quiçá as verborragias perpetradas pelo prefeito num pretérito não muito distante, inclusive com troca de farpas entre ele e a presidente do Consórcio, a prefeita de Alto Alegre. Muitos dirão que aqueles entreveros são águas passados, todavia, é preciso observar com certa acuidade os motivos que levaram à peleja. Será que foi mesmo a dívida que Penápolis tem com o órgão? Não farei aqui como a personagem Bárbara, a advinha do romance Esaú e Jacó, penúltima enunciação que Machado de Assis (1839-1908) publicou em vida. Naquele romance, “a sibila do Norte” – conforme nos conta o narrador Conselheiro Aires – disse para a mãe dos gêmeos Pedro e Paulo: “coisas futuras”. Sendo assim, posso dizer que somente o tempo é que se encarregará de fazer com que os reais motivos apareçam, portanto, o melhor agora é serenar os ânimos porque Penápolis continua integrando o CISA.

 

Homenagem

Não posso deixar de agradecer aos vereadores de Penápolis que, em outubro do ano passado, aprovaram uma homenagem àquela que, tendo ficado viúva em 1970, criou sozinha cinco filhos. Foram tempos difíceis e somente quem esteve ao lado dela, naqueles anos, sabe das barreiras que ela enfrentou, sofrendo todo tipo de humilhação e preconceito, ressaltando aí o fato de ser mulher, negra e na alfabeta, porém, com muita vontade para fazer de seus filhos cidadãos cônscios de seus papéis na sociedade, sempre levando a bandeira da ética e da moral. Lembro-me de nossas conversas entre Penápolis e Araraquara quando ela, fazendo questão absoluta, me levou para preencher uma das vagas no curso de Ciências Sociais que eu conquistei ao passar no vestibular realizado pela UNESP. Durante o trajeto, não foi uma e nem duas vezes, mas uma sequência de observações sempre pautada na afirmação: “aconteça o que acontecer, nunca saia do caminho que você traçou para chegar até aqui”!

 

Exemplo

Essa homenagem, muito singela perto do que ela fez por nós durante esses anos todos, me encheu de júbilo assim como minhas irmãs. Para muitos, acostumados a sonharem com o céu e as Minas do Rei Salomão, pode não significar muita coisa, porém, para nós é algo para lá de significativo. Por iniciativa do advogado Ricardo de Falleiros Castilho que – durante o tempo em que esteve vereador, apresentou o pedido para que uma das ruas de Penápolis recebesse o nome de Geny Pereira dos Santos – é que foi possível deixar para as gerações futuras a história dessa mulher que não mediu esforços para nos formar, antes de profissionais, cidadãos com princípios éticos e morais. Neste sentido, é interessante informar aos meus leitores que ela é citada também no livro Como fazer política sem se corromper, publicado em 2017 pelo ex-deputado estadual e ex-prefeito de Penápolis, Ricardo Rodrigues de Castilho.

 

Pioneira

Corrijam-me, caso eu esteja errado, mas, me parece que Geny Pereira dos Santos (1941-2012) é a primeira mulher negra a ter o seu nome inscrito na história de Penápolis através de suas praças, avenidas, ruas e logradouros públicos. O que deixa a outorga, aprovada pelos vereadores, coberta de louros, pois o meu pai, Francisco Barbosa dos Santos, também teve seu nome imortalizado por ação da Câmara Municipal. O casal, embora não tenha pertencido a nenhuma família tradicional de Penápolis, marcou a história do município. O primeiro, por ter falecido prestando serviços à prefeitura e a população penapolense e a segunda, conforme já externei num aforisma acima, devido a esse acidente fatídico em 1970, educou seus cinco filhos sozinha.

 

Reajuste

Nem bem se safa dum problema – leia-se a recusa do governo estadual em instalar em Penápolis uma unidade do AME –, o prefeito já tem outro abacaxi para descascar, como se diz no jargão popular. A peleja agora é por conta do reajuste dos salários dos servidores públicos municipais, representados, ou não, pelo sindicato da categoria. Como informou este jornal em matéria publicada na última sexta-feira, os funcionários querem o “repasse inflacionário e as perdas salariais, de forma retroativa, em 4%, integral” já neste mês de fevereiro. Como a prefeitura sinaliza com apenas 2,5%, está lançado o impasse e, com ele,  a discussão, entretanto, fica aí a pergunta: qual será a posição do vereador Carlos Alberto Soares da Silva, “Carlão da Educação” (PPS) que tem vínculos com o funcionalismo público municipal, justamente por ser servidor público? A pergunta está escudada no fato de que Carlos disputou a presidência da Câmara de Vereadores com o apoio do prefeito. Portanto, a interpelação é: ficará Carlão do lado do prefeito ou do lado dos seus parceiros funcionários? E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *