Olhar Crítico

2020

Dois mil e vinte não será o ano em que faremos contato com comunidades extraplanetárias, mas sim quando o Brasil passará por mais uma eleição municipal. O pleito do próximo ano me veio à mente quando li a matéria publicada neste jornal, segundo a qual o AME (Ambulatório Médico de Especialidade) será instalado em Penápolis em 2020 e que agora em 2019 será colocado na proposta orçamentária. Achei interessante o que me pareceu um exercício semântico: a unidade está suspensa e não cancelada.

 

Orçamento

Deixe-me ver se entendi direito: o AME não foi cancelado, mas suspenso e sua instalação dependerá de sua inclusão na proposta orçamentária do Estado para o 2020 – o ano em que não faremos contatos, apenas votaremos para prefeito e vereadores nas mais de cinco mil cidades brasileiras. Constar no orçamento anual, não significa que será concretizado e por se tratar de ano político é preciso atentar-se para a legislação eleitoral. Corrijam-me os doutos em leis, mas se eu não estiver enganado, tudo terá que ser firmado até abril de 2020 e depois de abril de 2021. Desta forma, a suspensão e não o cancelamento do AME foi política ou técnico-econômica? A interpelação tem fundamento no fato do que um político governamental disse a semana passada em visita à região de Araçatuba.

 

Disputas

Como eu disse certa vez aqui neste espaço, a questão do Ambulatório Médico de Especialidade ia ser resolvida apenas em ano eleitoral, tendo em vista que aquele que conseguisse concretizar o que foi verbalizado como certo em cima de palanques e outros eventos festivos. Com o frigir dos ovos, como se diz no jargão popular, aquilo que se pensou ser concreto não passou de vociferação e empolgação – que chegou a ser ventilado greve de fome na Assembleia Legislativa de São Paulo [lembrei-me do folclórico Jânio Quadros (1917-1992) e do prefeito Odorico Paraguaçu da novela O Bem-amado, interpretado pelo ator Paulo Gracindo (1911-1995), de autoria de Dias Gomes (1922-1999).

 

Afinidades

Só para não me alongar nessa peleja entre Penápolis e o governo do Estado, mais especificamente entre o atual mandatário local e o governador tucano João Dória (PSDB), me parece que nem para o ano que vem a coisa deixará o papel, justamente porque a problemática tem mais um viés político do que realmente econômico. Quem analisa as manifestações políticas do povo e o comportamento dos escolhidos e vitoriosos, sabe que o AME sairá para aquele prefeito antenado com Dória e o governador esperará o resultado do pleito de outubro de 2020, até porque o divulgado é que deverá constar na proposta orçamentária e não que deixará de ser apenas um projeto e desejo dum político que, no afã de se sobrepujar sobre os demais da região, acabou arrumando uma confusão com a presidente do Cisa. Sem AME, o negócio agora é abraçar o Consórcio e fazer-lhe reverências e juras eternas de amor.

 

Participação

Achei alvissareiro o empenho de todos os vereadores em prol do AME. Uma caravana foi a São Paulo fazer o famoso lobby em prol de Penápolis que acalanta há algum tempo ter em seus domínios uma unidade dessas. Mas por que não se encontra o mesmo empenho de todos, quando as temáticas e as demandas são outras, como pedir o afastamento do atual prefeito por conta de várias sentenças aplicadas contra ele pela Justiça local, tendo algumas delas ocorridas também em segunda instância? A ida dos vereadores de Penápolis, no máximo conseguiu uma promessa de constar no orçamento do ano que vem, conforme determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, reitero, se for afixada, será apenas uma proposta e não uma resposta definitiva às demandas da cidade. Portanto, aguardemos os próximos pleitos e o cuidado que os postulantes devem ter, ou ao se aproximar do atual mandatário da paróquia, ou se afastar.

Alinhamento

Outro assunto que promete dar dor de cabeça para a atual administração municipal é o aumento da água em 9%. O reajuste aparecerá nas contas dos consumidores a partir de março. A grita vai ser geral e sempre foi assim, inclusive o realinhamento nas tarifas foi, num passado não muito remoto, usado como moeda política por postulantes aos cargos máximos de Penápolis. Todavia, é preciso observar que o alinhamento de preços foi proposto pelo Conselho Gestor do Daep (Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Penápolis). De acordo com matéria divulgada por este jornal na última sexta-feira, o Conselho atendeu as demandas da direção do departamento respaldadas na “análise da composição de custos operacionais, bem como da necessidade de investimentos nos processos de captação, tratamento e distribuição de águia e coleta e tratamento de esgotos”.

 

Qualidade

Todo ano a história se repete. Parte da população descontente com o aumento nas contas de água. E sempre as justificativas por parte do Daep são as mesmas. E quem as analisa compreende que há realmente a necessidade do alinhamento para que o departamento possa manter a qualidade dos serviços prestados à comunidade. Podem falar o que quiserem, mas a qualidade da água de Penápolis é excelente e não é somente os penapolenses afirmam isso, mas pessoas que chegam à cidade para visitar parentes dizem isso. Quando residi fora de Penápolis para realizar meus estudos, ouvia sempre elogios de nossas estruturas e em seguida vinha a seguinte pergunta: “como vocês conseguiram essa proeza? ”. O Departamento é referência no Brasil em termos de saneamento básico, inclusive sendo tema de estudos nas áreas de urbanização, saneamento básico e administração pública. Tudo isso tem custo, pois não se tem almoço grátis.

 

Educação

No próximo dia 16, a escola Joana Helena de Castilho Marques, sob a direção do escritor-poeta Luiz Cláudio Tonchis, inaugura sua sala de leitura. Para que o espaço fosse viabilizado e posteriormente colocado à disposição dos estudantes, a escola contou com o apoio da Diretoria de Ensino de Penápolis e da prefeitura. Após a solenidade de inauguração, o professor livre-docente da UNESP-Rio Preto Aguinaldo Gonçalves ministrará palestra sobre o universo literário e artístico. A atividade marca o início da segunda edição do projeto Mais Literatura que objetiva debater com os estudantes penapolenses as obras literárias cobradas nos vestibulares das principais instituições de ensino superior do Brasil. E-mail: gildassociais@bol.com.br. gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *