Olhar Crítico

Calvário

Continua o calvário do atual mandatário de Penápolis. Desta vez, a Justiça local condenou o prefeito – que já tem uma sentença em segunda instância – por conta de possíveis crimes improbidade administrativa na doação duma área do município a uma empresa privada do setor de radiodifusão, além de contratos de prestação de serviço com a beneficiada. Conforme este jornal informou na última quinta-feira, a Prefeitura doou o terreno à prestadora de serviços, além de ter arcado com os custos de instalação do equipamento da empresa que não é pública, o que, no meu singelo entendimento, fere dispositivos da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Esse procedimento ocorreu ainda “na gestão do ex-prefeito João Luís dos Santos (PT), em permuta com a área então ocupada pela antena da rádio no Parque Industrial”, diz a matéria do INTERIOR.

 

Vereadores

Para não ser muito longevo e cansar em demasia o meu leitor dominical, tenho aqui uma pergunta: e a Câmara de Vereadores, como se posiciona nesses casos de condenações do Prefeito? Há pelo menos uma sentença em segunda instância que já poderia provocar o afastamento do prefeito e outras a caminho, indicando que deveria haver, pelo menos, um debate profundo entre os representantes da comunidade. Mas, a temática não é comigo, um simples colunista que se dirige semanalmente ao seu público para dividir alguns aforismas, mesmo que estes contrariem algumas pessoas, justamente por conta de seus conteúdos. Fez-se um alarde tremendo por conta duns patos numa determinada lagoa, mas não se fez nenhum pronunciamento sobre essas condenações pela Justiça que vem acontecendo desde meados do ano passado.

 

Guerra

Voltarei à questão em momento alvissareiro, mas uma questão que continua me apoquentando diz respeito ao universo do tráfico de drogas. Não há um só dia que Penápolis não registra uma prisão pela prática desse crime. Se por um lado, apresenta o trabalho das autoridades policiais, o que é assaz importante, por outro indica a falência da sociedade em combater não somente a venda ilegal desses entorpecentes, como em reduzir o número de usuários. Em termos econômicos, é uma grande perda pois os indivíduos dependentes de substâncias psicoativas deixam de ser produtivos para si e para seus familiares. Por outro lado, o custo para tirar esses seres da dependência, é altíssimo, com resultados significativos, porém, depois que o estrago já foi feito. Há um excelente trabalho preventivo da PM no sentido de evitar que crianças de hoje sejam adolescentes aprisionados nesse mundo de dependência e inexistência social. O programa é alvissareiro, mas é preciso mais, muito mais!

 

Prevenção

Novamente é preciso se atentar para o momento em que as crianças começam a receber seus primeiros valores para se tornarem seres sociais e sociáveis – há uma área que trabalha com isso chamada Sociologia da Infância [voltarei a essa área noutro momento]. Mas não se pode fixar os olhares apenas nas crianças das chamadas áreas periféricas, pois o problema pode estar muito mais próximo do que se imagina. E só há uma maneira de diminuir a problemática: os filhos estarem sempre no radar dos pais. E não adianta dizer que os rebentos não gostam deste patrulhamento. Os primeiros amigos dos filhos não estão nas escolas, nos clubes e sim dentro de casa. Pai e mãe são os primeiros seres sociáveis que as crianças reconhecem quando estão se socializando e é aí que a coisa pode ser observada de maneira positiva.

 

Educação

E já que a temática é educação, a partir de amanhã as unidades escolares de Penápolis começam se movimentar. As escolas públicas continuam dando sequência em seu processo de atribuição de aulas como faz todos os anos e sempre conduzida pela Diretoria Regional de Ensino que está em endereço novo: no antigo prédio da EEMF Joana Helena. Já as instituições privadas, como o Colégio Futuro/COC – o que mais cresceu nos últimos cinco anos em Penápolis – iniciam já as suas atividades letivas amanhã. Há diversas recomendações feitas pelos pais, mas quem atua na educação sabe o quão complicado está a área, principalmente pela apatia dos estudantes e desrespeito ao profissional que está lá para ajudá-los a transformar informação em conhecimento.

 

“Não dá nada não!”

Nesse sentido, não são raros depoimentos de docentes informando que já foram desrespeitados pelos alunos, ofendidos em sua dignidade étnica por grupos de estudantes que se acham acima do bem e do mal e que não há legislação que os punam. Qual professor nunca escutei essa expressão: “não dada nada não!”? E quando o professor é ofendido pelos pais do discente? Ai a coisa beira ao descalabro e a situação fica pior quando até os diretores das unidades educacionais são ofendidos e humilhados? Por isso que creio eu que, entre as recomendações que os pais devem dar aos seus rebentos, há uma extremamente importante: respeitar o próximo como gostaria de ser respeitado e entender que em todos os lugares, principalmente nas instituições de ensino, reina a disciplina.

 

Kant

Outra questão importante, colocada inclusive pelo filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804), é a de que cada um tem que agir, tendo em mente que essa atitude possa ser universalizada, ou seja, que todos a tomem como exemplificação. Num texto primoroso intitulado Fundamentação para a Metafísica dos costumes, o pensador germânico-prussiano aborda os imperativos hipotéticos e categóricos. Quando estudamos os verbos – ainda se estuda esse assunto em Língua Portuguesa? –, aprendemos que eles no imperativo quando indicam ordens, portanto, no texto de Kant a questão está relacionada a esse viés. Lógico que essa perspectiva da determinação ele trabalha no que diz respeito aos juízos a priori ou a posteriori, entretanto, me parece que o que é impactante nessa narrativa, está no âmbito de como se enxerga o outro, o seu semelhante e suas práxis.

 

Vida

Excelente a notícia de que Penápolis contará com o CVV (Centro de Valorização da Vida). É interessante quando alguém está com problema e a pessoa que está ouvindo pede para ela contar o que ocorre; pergunta novamente e mais uma vez e novamente e é significativo notar que a história vai mudando, deixando o lado dramático de quem está contando. Portanto longa vida ao CVV e parabéns às pessoas que se envolveram nesse importante projeto e programa para Penápolis. E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *