Olhar Crítico

Política

Começo os aforismos críticos deste domingo lembrando os meus leitores que amanhã vai haver muito pampeiro na Câmara. Explico! É que haverá eleição para a presidência do Legislativo no biênio 2019-2020 – o último dessa atual Câmara, portanto, período para que os vereadores comecem a fazer suas campanhas objetivando ficar por mais 48 meses após angariar a simpatia do eleitorado, principalmente daquela parcela de desavisados, despolitizados e que creem que política não se discute.

 

Candidatos

Até o momento em que eu escrevia essas linhas que vão encantar, ou não os meus leitores neste domingo, havia duas candidaturas e do mesmo partido, o que já indica problemas à vista. De um lado, o vereador e funcionário público Carlos Soares Silva, conhecido como “Carlão da Educação”; de outro, o empresário do ramo laboratorial, Ivan Sammarco. A novidade é que ambos os postulantes pertencem à mesma legenda, apontando existir questiúnculas no interior do PPS. Só para recordarmos, a primeira eleição para presidência da Câmara, no final de 2016, causou um reboliço danado e um racha dentro da Câmara, pois o atual mandatário e seu vice se afastaram de seus cargos por problemas judiciais e o seu sucessor seria o presidente da Câmara, logo o prefeito tinha interesse naquela peleja que culminou com rompimentos de acordos políticos, animosidades e um caminhão de verborragias aqui e ali.

 

Discórdias

Só pelo passado recente da última eleição para a presidência do legislativo, é possível vislumbrar novas discórdias e tudo porque o vencedor ganha uma grana a mais e é ele quem decide o que será colocado na pauta das sessões que acontecem às segundas-feiras. Só por esse fator, o arauto local, atualmente sem partido porque resolveu não ser prefeito de Penápolis e sim dum determinado candidato a governador que acabou perdendo o pleito para um novato no tucanato paulista. Mas ai não é com este colunista e sim com os eleitores e o povo penapolense, pois, apesar de algumas ingerências dentro da cúpula estadual do PSDB, o chefe do Executivo terá dificuldades em emplacar os pedidos de Penápolis junto ao futuro governador, João Dória (PSDB). Coisas da política tupiniquim e das presunções que costumam caminhar parelha aos nossos políticos de um modo em geral. Um exemplo é o ex-ministro Henrique Meirelles (MDB) que deu certeza da sua eleição para presidente da República.

 

Sentenças

E continua o calvário do atual governo. Não bastasse o prefeito estar enrolado com a Justiça desde o seu primeiro mandato, tem-se agora uma condenação sobre o seu atual vice, Carlos Alberto Feltrin (MDB), conforme informou a coluna Observatório da Cidade na edição da última terça-feira, 04 de dezembro deste jornal. A sentença não diz respeito ao atual mandato, mas sim relativo quando Feltrin era Secretário de Governo e Gestão Participativa, durante o mandato do ex-prefeito João Luís dos Santos (PT). Se isso é fato, há aqueles que dizem que é mais um esqueleto, para não dizer, um cadáver insepulto de gestões anteriores. Entretanto, eu ressalto que essa peleja não diz respeito a este colunista, mas aos fatos que ainda estão quentes sobre as mesas dos mais diversos judiciários, espalhados pelo interior das estruturas de poder do Estado paulista.

 

Pelejas

Deixando as pelejas políticas restritas ao palácio quase encantando da cidade, já que é lá que se concentra o poder e muitos são ludibriados diariamente pelos seus encantos, me enveredo pelo campo da última eleição presidencial. Terminou o pleito e as partes envolvidas no litigio de outubro, ainda não se acomodaram devidamente no banco de passageiros da nau chamada Brasil. A guerra ainda resiste e tudo por falta de uma cidadania plena e falta de hábito com a democracia, pois ganhar a eleição não significa ausência de oposição e todo aquele vociferado no palanque durante a campanha sendo adotado. Uma coisa é esgoelar palavras de ordem, outra coisa é realmente trabalhar para que algumas posturas, mudanças sejam adotadas. A questão é emblemática por que a Constituição Federal limita os poderes do presidente à instância do Legislativo. Portanto, o chefe do Executivo Federal terá que negociar com o Congresso, além do desafio de enfrentar o seu maior desafeto, o PT, que o viabilizou eleitoralmente, e que terá bancada considerável na Câmara.

 

Educação

No campo educacional, está se chegando a mais um fim de ano pedagógico e com ele o momento é de se fazer uma reflexão. Esse trabalho cabe a todos envolvidos no processo psicopedagógico dos alunos, principalmente os pais guardiães finais da existência dos filhos e os protagonistas primordiais na transformação de crianças em adultos saudáveis do ponto de vista físico, psíquico, ético e moral. Mas será que eles realmente estão fazendo a parte que lhes cabe ou joga tudo para a escola resolver? Quem milita no setor sabe como é inóspita a tarefa de ensinar, principalmente quando os estudantes vêm desprovidos de tudo de suas casas, mais especificamente de carinho e afeto em virtude de existirem em ambientes impróprios para crescerem saudáveis.

 

Leituras afins

Desta forma, acho interessante que os alunos tenham condições de, durante as férias, continuarem a fazer algumas atividades em casa, por exemplo, manterem o hábito da leitura. Para os alunos do ensino fundamental 2 a recomendação são os livros da série Vagalume que tem vários exemplares nas Bibliotecas Públicas da cidade: na localizada na área centra e a segunda na Vila Formosa. É legal que a indicação parta dos professores nesse período final de ano e conversar com os estudantes sobre a importância da leitura, inclusive resenhando alguns livros que já leu desde a sua adolescência. Parece-me que isso pode aguçar a curiosidade do alunato.

 

Audiência

E já que a temática é a educação, acho alvissareiro terminar meus aforismas deste domingo, abordando as pretensões da Subsede da APEOESP em Penápolis em realizar na cidade e na região, audiências públicas, objetivando debater sobre a questão envolvendo a escola sem partido. Acho a iniciativa importante, principalmente para esclarecimentos no que diz respeito à ideologia, pois eu entendi que querem eliminar uma suposta ideologia por outra e, conforme já externei aqui, não se pretende colocar fim a suposta doutrinação, mas apenas trocar o conteúdo. E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *