Olhar Crítico

Maquetes

No que diz respeito às maquetes representando as fontes de energia que os alunos do 8.º ano da Escola Estadual Yone Dias desenvolveram na disciplina de Geografia, sob a responsabilidade da Professora Andreia Minotti, vários leitores enviaram e-mails a este colunista para saber se o material poderia ser visto. A informação que tenho é que os trabalhos dos estudantes ficarão expostos na escola, localizada na Vila Fátima. Portanto, excelente oportunidade para os pais conferirem o resultado de uma parte significativa do que foi ensinado na disciplina pela docente no primeiro semestre de 2018 e desta forma, estarem presentes no dia a dia escolar de seus filhos.

 

Museus

E já que a temática é educação, evidencio aqui em meus aforismas dominicais, os parabéns à historiadora Alessandra Jorge Nadai que, na condição de diretora do Museu Histórico e Pedagógico “Glaucia Maria de Castilho Muçouçah”, escreveu, juntamente com o historiador e mestre – diretor-presidente da Funepe – Cledivaldo Aparecido Donzelli o artigo Local da memória e ensino superior: as possibilidades educacionais publicado pela revista Trilhas da História, editada pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e disponível no endereço http://www.trilhasdahistoria.ufms.br/index.php/RevTH/article/view/5510/pdf_123. Aviso os autores que o referido texto, de excelente lavra, já está em meus arquivos.

 

Composição

Só para lembrar, essa instituição de ensino superior federal publica também a revista Composição, na qual publiquei em parceria com o professor-doutor Carlos Henrique Gileno – docente da FCL – UNESP – campus de Araraquara, trabalho sobre a passagem da Monarquia à República a partir da perspectiva do escritor carioca Machado de Assis (1839-1908). As abordagens foram feitas usando como referenciais as crônicas que o autor publicou no século XIX sob o pseudônimo de As crônicas de Lélio. Para quem não sabe, Lélio foi personagem das narrativas de Marco Túlio Cícero (106-43 a.C) intitulada Da República. A crônica machadiana é o fino da ironia, na medida em que há um banquete na Quinta da Boa Vista – residência Imperial – e no final do evento ocorrerá um leilão para as instituições de caridade. O monarca doa ao evento apenas frangos que serão comercializados pelo leiloeiro Augusto República.

 

Ilustração

E como a evidência dos meus aforismas dominicais se encontra no âmbito da cultura, não posso deixar de parabenizar o meu amigo há mais três décadas, Valdecir da Silva, “Bila”. Quem milita no underground do rock penapolense, o conhece bem, principalmente pelos seus enigmáticos desenhos. Pois é, por conta dessas artes, os traços artísticos de Bila ilustram os lançamentos da banda de Grind Core StomachalCorrosion, de Belo Horizonte ou Beagá – como se diz no jargão. O grupo firmou contrato com a Cogumelo Records e lançou CD estampado com os trabalhos de Valdecir da Silva. Em contato com os integrantes da banda, estes me informaram que o disco já está sendo vendido no sistema pré-venda e os interessados podem adquiri-los através do site https://miltrekos.loja2.com.br/ com Charles Curcio ou no https://cogumelorecords.loja2.com.br/. Parabéns ao Bila pelo trabalho que vem realizando em prol do universo do Rock’n Roll, principalmente do Heavy Metal.

 

Gancho

Deixando o mundo da cultura e da música para outro momento, pois logo teremos um Plis Rock comemorativo aos 20 anos do festival e enveredando pelo universo da política local. O estampido da semana que se passou, conforme bem apontou este jornal e um blogueiro da cidade, o atual mandatário que alugou o PSDB para se reeleger, levou um gancho do diretório estadual dos tucanos. O motivo da suspensão diz respeito às manifestações públicas em apoio à pré-candidatura do atual governador paulista Márcio França (PSB). As declarações foram feitas durante a inauguração da sede da Faculdade de Medicina no campus II da Funepe (Fundação Educacional de Penápolis). Até ai nada demais – mesmo porque as observações foram feitas no calor do evento quando foi anunciado que a cidade terá em breve um AME Cirúrgico -, a não ser o fato de que França pertence aos quadros de outra legenda, e a que dá guarida ao atual chefe do Executivo penapolense tem candidato definido ao governo paulista, na pessoa do empresário João Dória Jr.

 

Expulsão

Tudo leva a crer, pelas manifestações do prefeito penapolense ou pela ausência delas sobre a peleja, que a tendência é este deixar o partido que, quando do seu ingresso sofreu uma revoada de filiados, permanecendo no ninho tucano alguns que justificaram suas razões para manter-se no PSDB, inclusive defendendo o chefe do executivo no Legislativo local. Até aqui o enredo, para quem observa analiticamente o mundo palaciano da política brasileira, estadual e local, não tem nada de estapafúrdio, já que o quase ex-arauto do peessedebismo penapolense tem todo o direito de pender a sua corda eleitoral para o lado que lhe convier, entretanto, há questões mais emblemáticas a serem solucionadas, caso a expulsão do mandatário se confirme.

 

Legislação

O cargo que ele ocupa, conforme a legislação vigente – corrijam-me os doutos em direito eleitoral se eu estiver equivocado – não pertence ao ex-radialista e sim ao PSDB que pode exigi-lo na Justiça, de acordo com os preceitos legais. No entanto, a dinâmica, a hermenêutica e a jurisprudência permitem um meio termo, ou seja, o prefeito pode alegar que estava sendo perseguido dentro da legenda ou usar o ato de sua expulsão para justificar a sua migração para outro partido e continuar exercendo suas funções de chefe máximo da administração pública municipal.

 

Qual legenda?

Sendo assim, qual será a agremiação que dará guarida a ele e ao seu séquito de apoiadores? Há um zum-zum de que o mandatário – acostumado a implodir legendas – irá se arranchar no PSB local, mesmo porque o pré-candidato a governador paulista que ele fez juras de amor naquela inauguração é deste grupo, portanto, nada mais justo que, a exemplo do que aconteceu com o PSDB local, França franquear o ingresso dele no partido. Todavia, conforme apurou este colunista, na presidência do diretório municipal do PSB encontra-se um desafeto do prefeito e este garante que ele e sua trupe não ingressarão na legenda, através de Penápolis. O ex-radialista tem também as portas fechadas no PP, conforme informações extraoficiais que chegaram até este colunista. Resta então ele voltar para o DEM, pois no PSD a situação é a mesma: sem espaço! E-mail: gildassociais@bol.com.br, gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *