Olhar Crítico

Esporte

Começo meus olhares dominicais, o primeiro deste mês de julho, parabenizando os irmãos Gabriel Fernandes Baio e Daniel Fernandes Baio pelos primeiros lugares conquistados no 2.º Campeonato Associação Gomes de Karatê-Do. O evento aconteceu no sábado, 23 de junho, em Barbosa – município vizinho. A competição contou com atletas de várias cidades da região, o que qualifica os dois caratecas que são alunos do Colégio Futuro. Estendo os parabéns aos pais da dupla que, cônscios da importância do esporte na formação ética e moral dos indivíduos, estimulam os filhos na prática esportiva.

 

Patrocínio

Muito se tem dito que o esporte é uma importante ferramenta para dignificar as crianças, adolescentes e jovens do Brasil, entretanto, todos aqueles que abraçam um esporte, como karatê, atletismo, natação ou outra modalidade amadora, têm dificuldades em continuar a competir em alto nível em virtude da ausência de patrocínio e outros recursos financeiros. É moeda corrente – a cidade tem um exemplo num maratonista – que antes da fama ninguém consegue um níquel se quer para custear seus treinamentos – é como aquele velho adágio, “enquanto a onça está viva ninguém quer abatê-la, mas depois que ela está morta, muitos a mataram”. Claro que existem os abnegados que investem, mas diante da importância que o esporte tem e das falas correntes, é difícil ouvir um sim de um pretenso patrocinador e isso os irmãos Fernandes Baio já sabem, pois lutam para competir fora dos domínios penapolense.

 

Fortuito

Deixando o âmbito esportivo para outro momento e me imiscuindo no mundo da política, no último artigo que publiquei aqui no INTERIOR tentei, em linhas gerais, analisar o governo Michel Temer (MDB) sob a perspectiva do livro O príncipe, de Nicolau Maquiavel. Por conta daquelas singelas observações, alguns leitores me perguntaram se era possível estender tais análises, mais especificamente sobre o conceito de fortuna, isto é, fortuito, ao universo da política penapolense. Respondi que, em linhas gerais, é possível sim, bastando a um indivíduo atento, observar meticulosamente, sem o viés ideológico, os acontecimentos mais recentes na cidade.

 

Esmiuçando

Antes de apontar o que pode vir a ser considerado como fortuito e traduzido em fortuna, no sentido dado por Nicolau Maquiavel, é interessante explicar, mesmo que forma sintética, esse preceito. Em primeiro lugar, fortuito é tudo o que o acaso nos apresenta e ai, pode-se pegar, aproveitar, se apropriar ou não. Sendo assim, a um príncipe requer certa fortuna, ou melhor, sorte. E se analisar o atual mandatário de Penápolis, é possível compreender que o mesmo seja portador de certa fortuna – é preciso esclarecer que o uso desse termo tem a ver com fortuito e não riqueza material. Por exemplo, a cidade está em vias de colocar em funcionamento uma instituição de ensino superior voltada à formação de médicos. Já existe uma que oferece os cursos de Enfermagem e Fisioterapia que, somando-se ao que está por vir, fará de Penápolis uma referência na comarca no campo da formação na área de saúde e a marca, ou melhor, os louros ficarão para de quem?

 

Inércia

Como bem lembrou um blogueiro penapolense, os vereadores entrarão em férias agora, mas voltarão em agosto para os trabalhos no Legislativo. É preciso saber qual será o posicionamento dos representantes da comunidade, ou seja, de que lado do córrego Maria Chica, eles estarão. Se for feito um balanço desse primeiro semestre, será possível observar que muita coisa foi deixada de lado e por uma série de fatores, inclusive a solicitação de investigações sobre mortes ocorridas no pronto-socorro municipal, bem como pedido de afastamento do prefeito por conta de sentenças desferidas pela Justiça em sua segunda instância, cabendo aos vereadores pedirem o afastamento do arauto local, todavia, ao que me parece, tudo ficou em banho-maria. Mas, a partir do próximo mês, o Brasil entrará em nova dinâmica política.

 

Eleições

Em outubro, os brasileiros serão convocados, mesmo que de forma compulsória, a escolher o novo presidente da República, renovar a Câmara Federal e parte do Senado, bem como as Assembleias Legislativas e os governos estaduais. Entretanto, embora o pleito acontecerá em três meses, as tratativas para se conseguir votos e mais votos e sins já começaram. Em virtude disso, me parece que os eleitores precisam ficar atentos aos cabos eleitorais, principalmente aqueles que estão nos assentos no legislativo local e observar seus posicionamentos quanto às questões mais polêmicas desse semestre que se foi ontem, como por exemplo, o engavetamento de solicitações para que determinados fatos fossem analisados.

 

Ponto final

Mas escrever sobre isso, me parece que é cansar o meu leitor que sabe disso a partir de diversas frentes, todavia, mais do que saber, é necessário dar um basta nesse tipo de situação em que o eleitor é chamado a escolher seus representantes, no entanto, o cenário se repete ad infinitum, como num eterno retorno prometeico, sem que o encanto possa ser quebrado, a não ser que o cidadão, aproveitando a onda de revoltas contra a categoria política, provoque uma “revolução”, mudando radicalmente os integrantes dos nossos legislativos e executivos, porém, não basta apenas mudar, é preciso participar, cobrar. Por exemplo, Penápolis, no último pleito municipal mudou quase 100% a Câmara de Vereadores, mas há uma indignação, mesmo que silenciosa, por parte da coletividade que está descontente com o andar da carruagem no legislativo local.

 

Equívocos

Equivocar-se não faz parte de um dos sete pecados capitais. Contudo, pode-se alterar o contexto futuro desta Nação. Muitos dizem, propalam e ofendem os políticos, mas quando, ao invés de praguejarem contra tudo, deveriam mudar, abraçam os mesmos corruptos de sempre, acreditando que tudo será diferente. Até ai nada de mais, todavia, a coisa não se alterará, pois o eleitor faz sempre a mesma coisa, porém, esperando resultados diferentes. Acho que foi um físico ou filósofo quem disse que “não adianta esperar resultados diferentes, se fazemos sempre a mesma coisa”! Portanto, meus caros leitores, sejam vocês os portadores do poder, e não os eleitos se sentirem como proprietários dos assentos que conseguiram graças às anuências dos brasileiros. E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *