Olhar Crítico

Férias

Está-se concluindo o primeiro semestre letivo de 2018 e as escolas, sejam elas públicas ou particulares, aproveitando o ensejo de que Junho é dedicado aos festejos típicos deste ano, estão encerrando seus expedientes pedagógicos com os tradicionais festejos juninos. Na semana que terminou ontem, as escolas Yone Dias de Aguiar, João Teixeira Sampaio e Joana Helena promoveram seus eventos para alegria dos estudantes que passaram dois bimestres debruçados sobre os livros, cadernos, exercícios matemáticos, verbos, acontecimentos históricos, análises sociológicos, pensamentos filosóficos e as narrativas ficcionais, como Dom Casmurro, do celebrado escritor brasileiro Machado de Assis (1839-1908) e suas conexões de sentido com as Histórias do Brasil, principalmente aquelas que dizem respeito ao Primeiro e Segundo Reinados brasileiros.

 

Recursos

É do conhecimento de todos – e no Estado de São Paulo não seria diferente – nas escolas públicas no Brasil não há recursos e quando há algum, existem tantas coisas para fazer, arrumar que no final do mês, está-se contando moedinhas como milhares de trabalhadores assalariados neste país, cuja maior parte da população, compraz-se com a alienação futebolística – nada contra e nem a favor! Desta forma, para se realizar eventos juninos objetivando celebrar com o corpo discente, a direção das unidades escolares precisa contar com a ajuda da população e dos comerciantes penapolenses. Sabe-se que são muitos, mas destaco aqui os Amigos da Escola Estadual Adelino Peters, através dos músicos que animaram o arraiá do Adelino na tarde da última quinta-feira. Os instrumentistas que doaram aquela tarde para a instituição e às crianças contaram com a cessão dos instrumentos da Casa das Bandas. Desta forma, parabenizo todos os que contribuíram para os festejos juninos de nossas escolas públicas.

 

Junino

Agora entre as unidades educacionais particulares de Penápolis, o destaque vai para o arraiá do Futuro que acontecerá no próximo final de semana. Já se tornou tradição a festividades que acontecem no campus do Colégio Futuro que, em dois dias, recebem milhares de penapolenses, que de alguma forma tem vínculo com a escola, seja com os integrantes do corpo docente, equipe técnico-pedagógica, ou os estudantes. Todos esperam o evento que a cada ano, tem oferecido aos presentes uma série de atividades que abrilhanta a dupla de noites. Este ano não será diferente e todos os corpos que formam aquela unidade de ensino estão empenhados em oferecer uma das melhores festas juninas de Penápolis. Então, caros leitores, vamos lá conferir a festança na roça!

 

Espinhoso

Não se falou muito no assunto, ou pelo menos eu não li muita coisa na imprensa local sobre a querela envolvendo duas mulheres, sendo que uma delas alvejado por disparos de arma de fogo, sendo que o algoz matou-se em seguida. Até o momento em que eu escrevia esses aforismas, o que se sabia é que a vítima continuava internada na Santa Casa de Araçatuba, entretanto, o zum-zum na cidade era um só: o que teria motivado o crime, ou seja, a tentativa de assassinato, seguido de um suicídio? Mas, como se diz no jargão, as autoridades policiais estão investigando o caso e o que resta é esperar o andar dos trabalhos e em seguida analisar os desdobramentos desse claro retrato da violência em nossa sociedade. É preciso compreender a conexão de sentido desse e de outros delitos, pois, conforme já apontei aqui, não há um só dia em que não a Polícia não registra ocorrência por tráfico de drogas!

 

Literatura

E já que estou tratando de educação e férias escolares no meio do ano, que tal umas leituras, de leve, nesse período e só para não perder o sagrado hábito de ler, já que, como dizia o escritor francês Valentin Louis Georges Eugène Marcel Proust (1871-1922), os livros abrem portas, principalmente as históricas, sem os quais teríamos dificuldades para descortiná-las. Desta forma, recomendo o livro do professor de Língua Portuguesa da EE Adelino Peters, Geraldo Soares Malta, Revisitando Plis, lançado no segundo semestre de 2017.

 

Cinquentenário

Entre os 12 contos que recheiam a obra, eu chamo a atenção para o primeiro, não que os outros 11 não estejam a contento dos leitores penapolenses, mas gostei deste primeiro por conta do título e o conteúdo recheado de situações concretas que são misturadas as enunciações ficcionais e a qualidade narrativa do autor. O enredo aborda o cinquentenário de Penápolis [1958]. Faz alusão a um chamado do Cine São Joaquim, segundo o qual o mesmo era considerado o palácio encantado da cidade. Havia outras propagandas antes dos filmes serem projetados e a famosa música Tema de Lara – do filme Doutor Jivago que traz alguns lampejos da Revolução Russa de 1917 – provocando a saída daquele país da Primeira Guerra Mundial. De qualquer forma, a leitura das 12 enunciações é um excelente convite para essas férias do meio do ano.

 

Listinha

Além dessa obra, já tenho outras na listinha básica, como por exemplo, o livro do cientista social Jorge Caldeira, História da riqueza no Brasil (2017). Além deste, reservei os três volumes da série História da gente brasileira (2017), escrita pela historiadora Mary del Piore. Para sair um pouco do campo profissional, tenho a intenção de concluir a leitura do romance Campo de sangue (2005), da escritora lusitana Dulce Maria Cardoso. Fico por aqui, mesmo porque, os textos levam os leitores a mergulharem profundamente na História desse país. Eu o faço para entender o presente e vir se é possível descortinar uma nesguinha para o Sol no futuro. E olha que está difícil, já que os tempos atuais, são bicudos, principalmente na esfera da política, seja em que âmbito for, isto é, no campo municipal, estadual ou federal.

 

Qualificação

E já que a temática é educação, acho interessante a proposta de aperfeiçoamento que o professor, mestre em Educação, Renato Costenaro pensa em levar a cabo no segundo semestre. O objetivo do curso Educação inclusiva: ênfase em deficiência intelectual. O escopo é colaborar na formação didático-pedagógica dos docentes que atuam na educação básica, por intermédio de pesquisas, objetivando qualificá-los no que diz respeito ao universo da educação inclusiva com ênfase na deficiência intelectual. É isso! E-mail: gildassociais@bol.com.br, gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *