Modernidade e espera

Gilberto Barbosa dos Santos

 

O Rio de Janeiro – antiga capital nacional – vive seu calvário e a discussão aparece de todos os lados, porém, uma coisa é certa: o que se vive no presente é consequência de escolhas erradas feitas num passado não muito longínquo. Senão vejamos: quem celebrou efusivamente o fato de o Brasil sediar uma competição da envergadura dum Pan-Americano? Quem foi que aplaudiu de pé porque a pátria de chuteiras, depois de mais de 50 anos, sediaria novamente uma competição internacional de futebol? Quem defendeu determinado arauto político porque este havia conseguido trazer para as terras brasileiras uma Olímpiada? Sem mais delongas, quem foi que defendeu em cadeia nacional de rádio e tevê o ex-governador do Rio de Janeiro hoje enrolado até o último fio de cabelo com corrupção no estado fluminense?

Como, em linhas gerais, eu sei um pouco sobre o quantum e os significados de cada resposta, prefiro passar para outra temática e deixar a intervenção militar na cidade do Rio de Janeiro, cujo setor de segurança passa a ser responsabilidade de um General quatro estrelas do nosso Exército Nacional, para outro momento. Para o atual escrito quero dedicar algumas linhas à deletéria sociedade globalizada que galvaniza seus males pestilentos com um amontoado de penduricalhos que, quiçá sua necessidade, só tende a escravizar o ser humano, tornando-o improdutivo e pouco criativo, dissolvendo as relações afetivas, cujos sujeitos sociais não têm mais condições de avaliar seus pertencimentos sentimentais, tendo em vista que não se é mais pessoa humana, mas sim, um número, um objeto animado, uma mercadoria – o que deixa a humanidade estarrecida é o fato de ter se transformado em apenas um adjetivo de luxo.

Partindo dessa premissa, penso que seja interessante iniciar a minha jornada reflexiva, se é que esses meus escritos podem ser considerados como tais, mas vou supor que estes de fato o sejam, então passarei adiante aos meus argumentos. Em primeiro lugar, a minha jornada começa pelo livro do filósofo brasileiro Paulo Arantes: O novo tempo no mundo (São Paulo: Boitempo, 2014). Já escrevi algumas coisinhas sobre essa obra, em cujo lançamento estive presente. Mas aquilo que rascunhei antes servirá de mote para a minha caminhada no presente. Em linhas gerais, Arantes diz que se vive num momento de grande espera, para não dizer expectativa. Em todos os lugares por onde o homem anda, há sempre uma espera a esperá-lo, ou seja, em algum ponto do percurso o sujeito enfrentará uma fila para conseguir alguma coisa, ou até mesmo seguir em frente, como é o caso dos refugiados de guerra, perseguidos por seitas e fanáticos religiosos e outros tipos de sectarismos. Isso me parece ser no orbe terrestre, e no Brasil, será que a reflexão proposta pelo professor da USP, é valida?

O trabalhador estatal – mais um dente na engrenagem burocrática dependente e viciada do seu nascedouro aristocrata – espera que um cidadão lhe abra as portas para embolsar algumas centenas de milhares reais. Estão ai os índices alarmantes de corrupção, cujas consequências mais visíveis, são os fatos que assolam o Rio de Janeiro, sem contar o descalabro em outros setores, como os da educação e saúde, para ficar apenas nessa dupla de necessidades que afligem o brasileiro pertencente aos estratos inferiores da escadaria social nacional. Enquanto aguarda a situação melhorar, permanece na fila de espera das urnas eleitorais para sacramentar como escolhido aquele político que melhor ludibria, porém, consegue convencê-lo a esperar até que a verba seja liberada para ter, em seu bairro ou, no Posto de Atendimento de sua cercania, uma ambulância, ou mais médicos e enfermeiras, sem contar na medicação que nunca dá, portanto, sempre faltará. E o que dizer então do retorno de doenças tropicais que podem ser letais? Vai-se esperar o mosquito picar, ou aguardará a liberação de recursos, há muito captados, dos bolsos dos brasileiros por intermédio do pagamento de impostos e tributos? Quem sabe, pois os valores são merrecas, como disse recentemente um governante sentenciado pelo Tribunal Estadual de Justiça.

Se por um lado, as narrativas que estão presentes no livro de Paulo Arantes podem ser uteis para as minhas pretensões nas linhas que se seguem, qual seja, a de tentar entender porque o mundo se transformou num imenso campo de espera, no qual todos aguardam tudo de todos, principalmente no que diz respeito à educação: milhares de pais esperam que o setor e a escola façam pelos seus filhos aquilo que eles, genitores, não tiveram condições de fazer ou negligenciaram, por várias razões que, se forem enumeradas aqui, acabarei o artigo só tratando da inépcia dos adultos em conduzir satisfatoriamente as crianças para o mundo dos adolescentes e posteriormente para o universo adulto. Se os homens, quiçá terem produzidos os bebês, não têm condições de educá-los, o que será da sociedade do amanhã? Muitos serão idosos sob a responsabilidade de adultos que, quando estavam na infância, na adolescência foram vistos como indivíduos de segunda classe, desclassificados e deixados de lado, pois importunavam muito e tiravam se seus pais o tão precioso lazer, a futilidade e a ociosidade.

Neste sentido, vale a pena percorrer as páginas do livro O culto da emoção, confeccionadas pelo pensador francês, Michel Lacroix. Nesta obra, ele diz muitas coisas sobre o novo status da emoção na sociedade contemporânea, completamente diferente daquele que se tinha até tempos atrás, vamos assim dizer, no universo setecentista, quando, ao homem era proibido ter e manifestar emoções. No Brasil Oitocentista, uma heroína ficcional teve um fim trágico porque ousou manifestar publicamente um sentimento por um defunto-amigo. O marido, perturbado com a hipótese de ter sido traído pela amada da infância e para não ver diante de si o que acreditava ser o fruto da infidelidade, primeiro pensa em dar cabo ao filho, mas fraquejou diante do intento de eliminar a criança, mas não titubeou em desterrar a esposa como prostituta enquanto sepultava a mãe como santa. Essa é uma micronarrativa de um dos momentos mais marcantes da literatura brasileira que suscita em seus leitores uma miríade de interpretações e outras tantas interpelações: afinal Capitu traiu ou não seu amado Bentinho? Quanto mais se procura uma resposta minimamente satisfatória, tem-se a ideia de que naquela época, à mulher era reservado apenas o espaço doméstico – a exemplo do que acontecia na Grécia Antiga – onde as manifestações emocionais poderiam, até certo ponto, serem manifestadas, entretanto, raros eram os momentos em que a esposa demonstrava publicamente o sentimento que nutria pelo esposo – acresce-se a isso o fato de que ela não tinha o direito de escolher o seu nubente. É isso ai!

 

Gilberto Barbosa dos Santos, Sociólogo político, editor do site www.criticapontual.com.br, autor do livro O sentido da República em Esaú e Jacó, de Machado de Assis; professor do ensino superior e médio em Penápolis; pesquisador do Grupo de Pensamento Conservador – UNESP – Araraquara e membro do Conselho Editorial e Científico da revista LEVS (Laboratório de Estudos da Violência e Segurança) – UNESP – Marília; escreve às quintas-feiras neste espaço: e-mail:gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *