Olhar Crítico

Tablado

Aos interessados na arte de encenar o real transformado em ficção, nesta terça-feira, 30, haverá o lançamento da programação e respectivamente a 3.ª edição do Sarau de Quintal. Durante o evento, que acontecerá nas dependências do CEU das Artes a partir das 20h, a Companhia Alternativa de Teatro apresentará o espetáculo “Fuligens”. Os organizadores informam que além da encenação, haverá muita música e uma noite de poesia.

 

Teatro

É interessante notar que o cenário teatral de Penápolis continua firme, como fora outrora, na época em que eu era um simples vestibulando que acalentava o desejo de ingressar numa das melhores instituições de ensino superior do país. Com muito trabalho, dedicação, disciplina e estudos diariamente aproveitando todo o tempo, por sinal, pequeno, que eu tinha para estudar. O desejo foi alcançado e é isso que procuro passar aos meus alunos: sem dedicação, disciplina e vontade de vencer, não existe nada que possa fazer com que eles ingressem em instituições do porte de uma UNESP, UNICAMP [tive a honra de ser aluno dessas duas instituições], USP e UFSCar, entre outras.

 

Aulas

E já que o assunto é estudo, na semana que inicia hoje, os alunos das instituições estudantis públicas do Estado de São Paulo retornarão às unidades às quais foram matriculados. Todos tiveram merecidas férias de final de ano e agora o momento é para se animar para um 2018 repleto de trabalho, disciplina, dedicação e, principalmente da elaboração de projetos pedagógicos por parte da equipe gestora e também dos pais, pois as conquistas dos filhos começam dentro dos próprios lares e as unidades educacionais, como todos sabem, é mais um elemento, importante, na teia de vitórias que o indivíduo tece em busca de uma vida saudável.

 

Educar

Neste âmbito, quero acrescentar algo significativo, não só para este que vos escreve, mas para todos envolvidos com o universo educacional. Na última quarta-feira, 24, Jairo Marques, colunista de um jornal de circulação nacional publicou um conciso artigo intitulado “Alunos ‘especiais’” (http://swbrasil.org.br/noticias/alunos-especiais-por-jairo-marques/) no qual tece diversas considerações sobre o ofício do educador dentro da sala de aula, e termina a missiva com a seguinte assertiva: “Educar é permanente processo de reaprender, de rever e de buscar maneiras de compreensão e colaboração”.

 

Avanços e desafios

Em outro trecho de sua reflexão, ele diz: “é sem dúvida um avanço a molecada ter precocemente a chance de ser inserida no ambiente escolar já se levando em consideração suas peculiaridades. Isso ajuda a ela ser melhor observada e entendida naquilo que a difere”. Sendo assim, eis o grande desafio em tempos modernos, tornar o ato de ensinar significativo para todos os participantes, levando sempre em conta os signos e suas nuanças como seus mais diversos significantes, principalmente para aqueles que estão recebendo os conteúdos, e o mais importante, participando e compreendendo os significados do que está sendo passado.

 

Significâncias

Desta forma, 2018 é amplamente significativo: primeiro, porque teremos Copa do Mundo e o Brasil nesse período, querendo uns ou não, respira o mundo dessa circunferência e, para o bem ou mal, quando se conquista uma competição como essa, principalmente no caso do brasileiro, muitos gostam de se ufanar como sendo os melhores do mundo, quiçá a péssima saúde pública que é oferecida diariamente aos pagadores de impostos e tributos; desvios das verbas públicas em diversos níveis da administração pública em seus mais de cinco mil municípios brasileiros. Certamente, os professores terão que fazer essas abordagens, mesmo dentro de seus respectivos conteúdos.

 

Imparcialidade

Mas vejamos como isso pode ser abordado, de forma imparcial, porém, não sem ser ideológica. O primeiro passo, pelo menos eu vejo desta forma, é, a partir da perspectiva filosófica, fazer a pergunta: se temos ou almejamos ter o melhor futebol do planeta por uma miríade de razões – chega-se a brigar por isso, por exemplo, quando um brasileiro resolve torcer por outro selecionado por considera-lo, dentro da perspectiva futebolística, tenha o melhor esquadrão – porque também não é assim no universo da saúde, educação e da categoria política? Em virtude de uma pesquisa na esfera da política brasileira, desenvolvo um pequeno trabalho objetivando entender o comportamento da sociedade no que diz respeito ao mundo eleitoral, reli uma entrevista que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedeu a uma revista editada por um dos seus séquitos, porém, de significativa qualidade.

 

Histórico

A entrevista foi publicada na edição de junho de 2014 daquele periódico, portanto, às portas da Copa do Mundo que foi realizada aqui e, até hoje, o país colhe os cacos da famigerada empreitada, festejada como primeiro lugar quando da conquista, contudo, no momento o Brasil inteiro sabe como foi que o Brasil foi escolhido como sede daquele mundial. Todavia, para não ficar escorregando em um tema que todos são cônscios: teve o espetáculo, e a exemplo, de um goleiro que falha e o time é derrotado – momento em que o locutor diz que o arqueiro ficou com as penas do frango na mão – o brasileiro recebeu, a exemplo da cachorra Baleia [Vidas Secas] os pequenos ossos do galináceo que as autoridades eleitas diretamente legou à sociedade de um modo em geral.

 

Ufanismo

Pois bem, naquela entrevista o ex-presidente se ufana de ter conseguido muitas coisas para o Brasil no âmbito educacional, social e saneamento básico, inclusive explicou em linhas gerais e de forma direta como via a distinção entre macroeconomia e microeconomia. Desta forma, eu não pude deixar de recordar a fala de um de seus ex-ministros envolvidos em atos corruptíveis, que o povo não estava interessado nessa dicotomia entre micro e macroeconomia, mas tão somente se a prestação cabia no seu salário. Não é preciso dizer no que levou tão raciocínio e prática: recessão e o impeachment de Dilma Rousseff (PT) que, para muitos dos seus correligionários foi um golpe dos seus parceiros e da tal elite conservadora. Voltarei a esse assunto num momento alvissareiro. Por ora fico apenas com a ideia de que se não educarmos corretamente a população, muitos terão uma visão enviesada do nosso processo histórico, distorcido por interesses para lá de ideológicos, mas de grupelhos aparelhados na estrutura do Estado. E-mail: gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *