Clientelismo e outros favores

Gilberto Barbosa dos Santos

 

No mundo mercadológico, quem pretende se estabelecer e conquistar o sucesso com seus produtos, seja na esfera do comércio ou da produção, tem como tarefa primordial fidelizar o cliente que também é visto como uma mercadoria, portadora de uma espécie sui generis de mercadoria, o dinheiro, cujo valor de face é delimitado pelo quantum que é gasto em sua produção. Desta forma, o slogan o cliente sempre tem razão se escuda no fato de que é necessário as mercadorias circularem e o dinheiro também e, em virtude desta sua peculiaridade, se transforma em mercadoria no mercado financeiro, dai estar-se na fase da globalização financeira [peço desculpas pela repetição de alguns termos, mas ela é necessária para deslindar o meu objetivo neste texto].

O parágrafo acima tem como objetivo, explicar de forma muito, mas muito sucinta, o funcionamento do mercado global de mercadorias e de pessoas mercantilizáveis. Essa análise pode ser encontrada no primeiro capítulo de O capital, clássico, escrito no século XIX pelo pensador alemão – depois de exaustiva pesquisa – Karl Marx (1818-1883). Sendo assim, recomendo a todos, marxistas, não marxistas, antimarxistas, que se debrucem sobre as obras deste corifeu de um tipo específico de pensamento social e filosófico. Claro que uma compreensão mais detalhada sobre o mundo e próximo do ideal é preciso o auxilio dos trabalhos dos também pensadores Emile Durkheim (1858-1917) e Max Weber (1864-1920), entre outros cientistas sociais e filósofos que se colocaram a tarefa de analisar a sociedade contemporânea que ainda guarda fortes resquícios de seus longínquos antepassados.

O conteúdo dos dois parágrafos acima, para aqueles que leem as minhas linhas semanais aqui no INTERIOR, não é novidade alguma, todavia, deixando o universo abordado anteriormente, qual seja, a do mercado e de seus mais diversos clientes em virtude da miríade de produtos que diariamente são ofertados ao cidadão, seja ele com cidadania ou não, e adentrando na esfera da política, o título de hoje externa uma prática muito comum no Brasil Oitocentista que deveria ter sido eliminada com o advento da República, conforme tentei demonstrar em meu livro O sentido da República em “Esaú e Jacó” (2016), mas lamentavelmente permanece até o momento. O interessante a observar nesse fenômeno, qual seja, o do clientelismo, é que o escritor e político brasileiro, José de Alencar (1829-1877), deu algumas pistas desta categoria social por volta de 1870 na obra Cartas de Erasmo ao Imperador (disponível no site http://www.academia.org.br/sites/default/files/publicacoes/arquivos/cartas_de_erasmo_ao_imperador_-_jose_de_alencar.pdf). Recomendo a leitura deste e outros livros de Alencar, como por exemplo, A propriedade – disponível gratuitamente no site do Senado Federal, a todos aqueles que querem entender o que se passa no Brasil do presente, pois sem a devida compreensão do seu passado, fica complicado entender a atualidade e vislumbrar um amanhã diferente.

Assim como acontece no mundo do capitalismo, na esfera da política há também os clientes preferidos de determinados séquitos de políticos, dai a adjetivação dada ao fenômeno que singra os cofres públicos do Brasil através de uma casta burocrática aristocratizada que, simbioticamente, está atrelada a uma plutocracia nacional, porém, longe de ser nacionalista. Em linhas gerais, é possível dizer que essa conduta se encontra na estrutura do Estado Brasileiro, conforme já aventei outras vezes, forjado não a partir do desejo da sociedade, mas sim do trono lisboeta e toda a sua corte que aportou aqui em 1808 fugindo da sanha napoleônica que varria a Europa. Bom, se essa é a tônica das relações entre as estruturas sociais do país – cujo cerne é o escravismo com lampejos de liberalismo às avessas, de acordo com as interpretações feitas pelo crítico literário Roberto Schwarz em seu significativo trabalho As ideias fora do lugar -, como sair delas?

O clientelismo brasileiro pode ser compreendido também por meio do “favor”, mecanismo que elimina qualquer possibilidade de se ter no Brasil atitudes voltadas à meritocracia – se bem que ela aparece em vários setores, entretanto, de forma pífia o que inviabiliza qualquer possibilidade de alteração no quadro sociopolítico do momento. Na literatura brasileira há um farto material sobre isso, mas do ponto de vista das ciências sociais recomendo o livro Homens livres na ordem escravocrata, de Maria Sylvia de Carvalho Franco (Ed. UNESP, 1997). Agora aqueles que preferem percorrer as páginas romanescas, eu acredito que o clássico machadiano Dom Casmurro (Penguin & Companhia das Letras, 2016) é uma boa pedida, ainda mais se o leitor se detiver nas tramas tecidas por José Dias, – o Iago shakespeariano de Machado de Assis -, o agregado que na frente da matriarca dos Santiagos, tendo próximo de ti os demais criados da casa, adora usar os superlativos como mecanismo de destaque, evidenciando ser um serviçal superior aos demais, tudo em busca de uma posição melhor na estrutura social da Casa-grande urbana.

Posto isto, me parece que existe ai um pequeno material para que todos comecem a refletir, não sobre a capital candango ou sobre os mais de cinco mil legislativos e prefeituras espalhadas pelo país, mas, sobretudo, em suas próprias permissivas práticas que possibilitam a manutenção dessa estrutura escravagista e que novos Josés Dias deem suas cartadas nas relações sociais de mandonismo e clientelismo modernos que os cientistas sociais apontam em diversas setores da vida pública e privada do Brasil. Quando a problemática é registrada no âmbito privado, mesmo que as consequências possam ser nefastas para o vir a ser de toda a sociedade, levando em conta que o mérito passa a ser um demérito, ainda assim está-se na relação entre sujeitos privados e portadores de determinadas mercadorias que podem ser aceitas ou não, tudo depende de como aqueles que vão adquirir entendem suas negociatas e o que pode aferir de tais produtos. A questão torna-se mais emblemática a partir do momento em que se percebe que o clientelismo e o favor estão enraizados nas estruturas que compõem a relação de troca entre Estado e sociedade, tendo entre as duas esferas, o cidadão que, desprovidos de recursos financeiros, precisa dos serviços que o grande leviatã brasileiro tem que colocar a disposição de todos, conforme os preceitos constitucionais. Até ai parece ser fácil resolver, porque há eleições a cada quatro anos, todavia, o descalabro é registrado quando ainda se tem cidadãos que não sabem votar e, quando escolhem seus representantes, o fazem mantendo o clientelismo e a prática do favor. Aguardemos o trebelhar da novela política brasileira, cujo capítulo final será o pleito de 2018.

 

Gilberto Barbosa dos Santos, Sociólogo político, editor do site www.criticapontual.com.br, autor do livro O sentido da República em Esaú e Jacó, de Machado de Assis; professor do ensino superior e médio em Penápolis; pesquisador do Grupo de Pensamento Conservador – UNESP – Araraquara e membro do Conselho Editorial e Científico da revista LEVS (Laboratório de Estudos da Violência e Segurança) – UNESP – Marília; escreve às quintas-feiras neste espaço: e-mail:gildassociais@bol.com.br; gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *