Olhar Crítico

Espinosa

O pontapé inicial dos meus olhares deste domingo é dado através do filósofo holandês Baruch Espinoza (1632-1677), que nos deixou importantes obras, como por exemplo, Tratado político (1677) e Ética demonstrada à maneira dos geômetras (Ethica Ordine Geometrico Demonstrata) [1675]. É justamente desta dissertação que pretendo externar algumas coisas nos aforismas que se seguirão. Pois bem, na proposição LXVIII ele diz que “se os homens nascessem livres, não formariam nenhum conceito de bem e de mal, enquanto permanecessem livres”. Parece-me que nesse excerto, o pensador Seiscentista pretende indicar que a liberdade só se obtém a partir da Razão, assim como Kant afirma que somente se atinge a maioridade crítica através desse procedimento obtido por meio do conhecimento.

 

Encantamento

Já que é assim, então é possível estabelecer um debate sobre a tal da liberdade, desejo de muitos, porém, trocada rapidamente em prol daquele líder que garanta pão e segurança, segundo nos informa o literato russo Fiódor Dostoievski (1821-1881). Se ele estiver certo e olha que suas enunciações datam da época oitocentista, então não existe sujeito autônomo e dai pode se dizer que ai está o motivo por que o poder é encantador, atraindo vários indivíduos sociais, desde aqueles que o querem quanto os que bajulam os que o detém, formando um séquito de seguidores que muitas vezes não conseguem ver o óbvio, isto é, que se é massa de manobra, ou, como se diz no jargão popular “capitão do mato”. Ao se chegar a esse ponto, entende-se porque a cidadania, mesmo que destinada a todos, é pouco usufruída e quando o governante não está de acordo com o prometido durante a campanha eleitoral, usando de preceitos racionais, questiona os caminhos que a sociedade está tomando a partir das políticas públicas colocadas à disposição da população.

 

Cultura e poder

É neste sentido, que abro espaço para abordar, de forma sintética, o artigo que o psicanalista Contardo Calligaris publicou na última quinta-feira em um jornal de circulação nacional, cujo título em tom interpelativo é: O que é a vulgaridade do poder? (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2017/02/1856899-o-que-e-a-vulgaridade-do-poder.shtml). Em determinado ponto de seu enunciado, o psicanalista italiano radicado no Brasil diz que “[…] o poder sem cultura é vulgar porque ele só se exibe”. Calligaris vai mais além afirmando que “o poder sem preocupação moral é vulgar porque seu exercício não tem nem sequer ‘desculpas’ e revela imediatamente o gozo de quem o detém. Ou seja, o poderoso sem preocupação moral governa só para gozar de seu próprio poder”. Eu acrescentaria a esta observação do ítalo-brasileiro que para esses sujeitos políticos a letra fria da lei costuma ser implacável, bem como os integrantes dos tribunais superiores, mesmo que as urnas indiquem o contrário. O país está recheado de situações desse tipo.

 

Laicidade

Embora o caso não tenha ocorrido aqui, penso que é interessante trazer a temática à baila, justamente por conta do conteúdo. Para ilustrar isso, me parece que o clássico do cineasta brasileiro Glauber Rocha, Deus e o Diabo na Terra do Sol, é significativo e, se o é, então vamos aos fatos. Em Araraquara, uma vereadora, eleita no último pleito deixou claro que não pretende participar da leitura da bíblia que a Câmara Municipal vinha fazendo até então. Não é nenhuma bizarrice, mas o seu posicionamento é bem fundamentado, principalmente na tese de que o Estado é laico, portanto, não há espaço para que o legislativo faça somente a leitura desse livro, a não ser que abrisse exceção a outros credos existentes no país e seus livros sagrados, como a Tora e o Alcorão e porque não As sete lágrimas de um preto velho e também O Evangelho Segundo Espiritismo. E olha que a vereadora se declarou Católica praticante. Ponto para ela e pronto!

 

Pictografia

E já que a temática é religião, no próximo dia 18, o Centro Espírita Allan Kardec realizará em suas instalações um encontro para lá de significativo, destinado aos espíritas, espiritualistas e estudiosos da doutrina de Allan Kardec.  Será levada a cabo em suas instalações uma sessão de pictografia, isto é, pintura mediúnica. O evento é aberto a toda comunidade e os quadros que forem sendo pintados, os presentes que desejarem adquirir os mesmos, poderão fazê-lo. Em linhas gerais, pode-se dizer que a psicopictografia, segundo a doutrina espírita, é uma manifestação mediúnica através da qual um espírito por intermédio dum médium se expressa usando a pintura ou desenhos.

 

Calouro

E mais um vestibulando que foi meu aluno em 2016 no cursinho pré-vestibular UP foi agraciado com a aprovação nos concorridos vestibulares brasileiros. Desta vez o felizardo foi Carlos Eduardo A. Pereira que, durante o ano passado, assistiu as minhas aulas de Filosofia, ministradas nas tardes de sábado naquela instituição. Carlos Eduardo será calouro na UNESP (Universidade Estadual Paulista) – a mesma que cursei no começo da década de 90 -, contudo, enquanto eu fiz morada no campus de Araraquara [morada do sol], o ingressante deverá fixar residência para os próximos quatro anos no campus de Marília. O que dizer dessa conquista? Apenas que a mesma é consequência de trabalho, dedicação, disciplina e muita vontade de conquistar uma vaga na concorrida universidade que tem vários campi espalhados pelo interior do Estado de São Paulo, muitos deles figurando na lista das melhores da América Latina. Desta forma, espero que o sucesso de Carlos Eduardo e de seu amigo Matheus Curiel sirva de exemplo para aqueles que ainda buscam se encontrar nesse mundão que se dissolve logo depois de ser edificado!

 

Pânico na TV

E só para fechar o âmbito educacional, parabenizo a direção do Colégio Futuro/COC pela participação no programa Pânico na TV que vai ao ar, no próximo domingo pela Rede Bandeirantes de Televisão. De acordo com a instituição, participarão do evento os estudantes dos três ciclos do Ensino Médio. A partida dos alunos acontecerá no dia 18 com retorno no dia seguinte quando o programa será exibido na noite do dia 19 de fevereiro. E-mail: gilbertobarsantos@bol.com.br, gilcriticasocial@gmail.com, social@criticapontual.com.br, www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *