Olhar Crítico

Ciência

Na próxima quinta e sexta-feira (11/12), o Colégio Futuro realizará mais uma edição de sua feira de ciências. São vários os motivos que me levam a dar atenção ao evento, entre eles, o fato de que a partir de acontecimentos como esse, os alunos são estimulados desde cedo a conviver com o mundo científico, observando sempre que o avanço de uma sociedade só pode acontecer através de pesquisas e de vários investigadores, sejam eles em que campo do saber for, isto é, do social ao químico, passando pelas áreas biológicas e físicas, chegando ao âmbito da saúde.

 

Novidades

É importante ressaltarmos aqui que foi numa dessas edições que dois estudantes criaram um jogo para PC que simulava a explosão de um animal usado em experiências que objetiva encontrar ferramentas que transformassem homens comuns, em máquinas de guerra. Com o acidente nuclear, já que a vaca se tornara radioativa, só restava ao único sobrevivente tentar evitar que as partículas contaminadas escapassem do laboratório. No jogo, o cientista era o jogador que tinha um tempo específico para eliminar todas as bactérias. Desta vez, ao que tudo indica, entre vários projetos, será apresentado um aplicativo para celulares que auxiliará os alunos a estudarem e a fazerem as tarefas da temível matemática.

 

Projeto

E já que estou tratando de educação e inovação, aproveito a ocasião para parabenizar o professor de Língua Portuguesa, Rodrigo Santiago e todos os alunos que participaram do projeto O lugar de ser inútil que foi apresentado pela primeira vez na Feira de Ciências de 2015 do Futuro. O trabalho, desenvolvido pelos estudantes do 9º ano que hoje cursam o 1º ano do Ensino Médio, consistiu na criação de uma exposição interativa baseada nas exposições do Museu da Língua Portuguesa que funciona na capital paulista. De acordo com Santiago, coordenador do projeto, a atividade teve como tema o poeta mato-grossense Manoel de Barros.

 

Classificação

Diante do sucesso obtido entre a comunidade docente e discente da escola, o projeto foi inscrito na 19º edição do concurso nacional educador nota 10, organizado pela Fundação Victor Civita em parceria com a Fundação Roberto Marinho. O trabalho apresentado concorreu com outros 4.200 inscritos, ficando entre os 50 melhores projetos do Brasil. Desta forma, evidencia-se a importância das atividades pedagógicas que a instituição penapolense, que tem hoje mais de seis centenas de alunos, oferece à sua clientela. Sendo assim, parabenizo todos os envolvidos na elaboração e execução do projeto. Acredito que novos trabalhos, a exemplo do que foi feito em 2015 sobre um dos maiores escritores brasileiros, Machado de Assis a partir de uma das obras mais enigmáticas da literatura universal: Dom Casmurro. Afinal, Capitu traiu ou não Bentinho? Eis a interpelação! Contudo, para sabermos, vale sempre as releituras, pois a cada uma delas, a narrativa machadiana nos apresenta uma nova nuança desta singular enunciação.

 

Eleições

Deixando o mundo educacional, mas não totalmente – mesmo porque o estudante deve aprender a distinguir coerentemente o universo da política e da politicagem, além de se desvincular do viés ideológico quando isso for possível -, e adentrando no mundo eleitoral, é preciso observar que o trebelhar para se preencher os 15 cargos eletivos que estarão em disputas até o primeiro domingo de outubro, já começou. Não é novidade para ninguém que, até o momento, teremos cinco duplas de postulantes a prefeito: o atual alcaide, tendo como vice o peemedebista Carlos Alberto Feltrin; o Partido Verde que irá para o baile eleitoral com o atual vice-prefeito Ricardo Rodrigues de Castilho – que muitos gostariam de vê-lo longe do tabuleiro sucessório – e o presidente da legenda, o professor-doutor Eder Granato; o PSB bailará com o empresário Carlos Alberto Pizani e o oftalmologista João Batista; o PT – que ocupou por oito anos o cargo majoritário em Penápolis – após uma complexa crise ética e moral em virtude do envolvimento dos principais líderes nacionais com delitos e apropriação de recursos públicos – vai de Adão Rodrigues, tendo como vice, o professor de matemática aposentado Nevil Verri. E por fim, o ex-presidente da Câmara – e voto de minerva na CIP – Caíque Rossi, conseguiu de última hora – é o que se corre a boca pequena – a sua vice que será a professora aposentada Marina Boghossian.

 

Programa

Os nomes estão postos – quiçá algum impedimento conforme preveem a lei 64/90 [lei da inelegibilidade] e a chamada Lei da Ficha Limpa – e agora começa o rosário eleitoral com postulantes vociferando que fez e fará muito mais, caso os eleitores confiarem em seus projetos, caso eles existam – é preciso ter claro que o cidadão com consciência política quer programa de governo e não projeto de poder como temos observado nos últimos tempos. Até ai, nada de mais, mesmo porque se o penapolense aceitar esses apelos como temos visto, ficará mais quatro anos reclamando disso e daquilo, sem, no entanto, perceber que a culpa é dele mesmo, principalmente se se escondeu atrás do voto nulo e branco ou deixou de votar, optando pelo pagamento da multa. De qualquer forma, ele precisa saber que o valor que desembolsará, poderá parecer irrisório, entretanto, somando-se aos milhares que seguem a mesma toada, o montante será encaminhado ao Fundo Partidário que, posteriormente, será redistribuído às legendas com assento no Congresso Nacional. Eis as consequências da alienação política!

 

Escolha

Diante do exposto, me parece que o mais significativo é escolher uma das cinco duplas, bem como os postulantes a vereador. Outra coisa que poucos eleitores dão a devida importância é no que diz respeito à escolha do representante no Legislativo. É comum ouvirmos isso e aquilo, entre as verborragias que o candidato irá defender os interesses do cidadão votante na Câmara. Mas quais são os interesses do povo? Qual é mesmo o papel do vereador? Entre tantas atividades, a mais significativa é fiscalizar os atos do Executivo e neste sentido, me parece singular a observação sobre os que ai estão vereando e levaram a bandeira do prefeito, inclusive sepultando pedidos de comissão de investigação, entre outros enterros. Como podem dizer ao indivíduo que irão representá-lo no legislativo se acaba virando uma chancelaria do Executivo? Eis a pergunta deste domingo. Acho que seria significativo o candidato a vereador estar em sintonia com o projeto de governo do pretendente a prefeito, além de focar numa área, por exemplo, educação, saúde, saneamento básico e o socioeconômico. Por hoje é só! E-mail: gilbertobarsantos@bol.com.br, social@criticapontual.com.br, gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *