Olhar Crítico

Inelegibilidade

Já há algum tempo venho escrevendo aqui neste espaço que o atual mandatário da cidade e arauto do PSDB local está inelegível por conta de irregularidades apontadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) no que diz respeito a um duplo recebimento de subvenções quando este era presidente da Câmara. Pois bem, indicados os equívocos, o presente chefe do Executivo, através de ampla defesa feita pelo advogado e vereador, Rodolfo Valadão Ambrósio (PSD), devolveu os valores que recebeu de forma duplicados. Até ai todos os eleitores da cidade são cônscios disso, inclusive que foi movida uma ação pelo Ministério Público local, porém, arquivada por determinação da Justiça, contudo o MP recorreu da decisão no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e aguardemos a decisão.

 

Debate

Até esse ponto do roteiro, os meus leitores dominicais já sabem, inclusive que travei um debate significativo com o prefeito por conta dessa questão, com ele apontado o meu equívoco, inclusive um cidadão provocou a Justiça nesse sentido, obtendo como resposta que naquele momento não haveria inelegibilidade por conta de não existir registro de candidatura. Esse foi o parecer do Magistrado que, se for observado ao pé da letra, indica haver sim, procedimentos de inelegibilidade. Contudo, sempre pontuei minhas observações no sentido de informar o cidadão sobre os bastidores da política local e não para dizer que este político é bom e aquele outro é ruim, mesmo porque não é essa a minha função na dupla condição de colunista e cientista social.

 

Tutela antecipada

Pois bem, esse é o resumo da ópera, ou melhor, era! A coisa começa a mudar de figura quando soube que o prefeito entrou na Justiça com pedido de tutela antecipada para garantir a sua elegibilidade em outubro. Se as leis permitem tais manobras, claro que o arauto do tucanato local usará esse expediente. Contudo, fica-me uma pergunta: se este me garantiu várias vezes que não estava inelegível, por que então impetrar na Justiça com pedido de tutela antecipada sobre um fato que vociferou aqui e ali que não lhe traria inelegibilidade? Eis a interpelação deste domingo. Para quem tiver interesse em saber sobre o que acabo de informar aos leitores dos meus olhares dominicais é só acessarem http://esaj.tjsp.jus.br/cpopg/show.do?processo.codigo=C600011HH0000&processo.foro=438&conversationId&dadosConsulta.localPesquisa.cdLocal=438&cbPesquisa=NMPARTE&dadosConsulta.tipoNuProcesso=UNIFICADO&dadosConsulta.valorConsulta=celio+jose+de+oliveira+&paginaConsulta=1. Enfim, se o atual alcaide achava-se livre das peias da lei para disputar a sua sucessão, quando fatos e jurisprudência dão conta de que não poderá colocar em funcionamento o seu projeto de ficar mais quatro anos à frente da prefeitura, então por que acionar a Justiça para garantir um direito que se crê ser cônscio portador?

 

Trebelhar

Se por um lado, ou seja, apelando ao universo da Justiça, o prefeito tenta se cacifar para conquistar junto à coletividade o direito de ficar mais 48 meses à frente da Prefeitura local – e olha que conseguiu isso há três anos tendo apenas 36% dos votos válidos -, por outro, o seu partido, o PSDB, tenta definir como será composta a chapa para tentar voltar, por meio das urnas a administrar a cidade. Desde que o empresário do ramo educacional, Firmino Sampaio deixou o Paço Municipal, os peessedebistas não emplacaram outro prefeito, desta forma, foi preciso que o atual alcaide implodisse a legenda para que se configurasse como governo do PSDB.

 

Candidatura

Tendo isso como premissa, corre um zum-zum na cidade de que Firmino Sampaio estaria impelido a disputar a sucessão do atual prefeito, talvez como cabeça de chapa, em virtude de o atual mandatário estar impedido por força da Lei da Ficha Limpa em concorrer a sua própria sucessão. Porém, em caso de aceite por parte da Justiça Eleitoral da candidatura do prefeito, Firmino sairia de vice, fazendo uma dobradinha do PSDB. Diante dos boatos que corriam durante a semana que terminou ontem, conversei com o proprietário do Colégio Futuro sobre a veracidade de tais rumores. Sampaio afirmou-me que o seu interesse agora é tornar a sua instituição referência em ensino privado na cidade, e olha que já vem conseguindo isso, pois o seu corpo discente passa das seis centenas. Sendo assim, o ex-prefeito rechaçou a hipótese de disputar as eleições deste ano, entretanto, como em política tudo o que parece ser hoje, pode não ser mais amanhã, quem sabe, Sampaio não repense sua objeção!

 

Imbróglio

Bom! Como a temática deste domingo parece ser mesmo o universo da política, queria entender como o atual prefeito articula colocar no mesmo balaio sucessório os integrantes dos diretórios do Solidariedade e do PDT? A indagação reside no fato de que o primeiro partido surgiu das entranhas do segundo, proporcionando cláusulas de que as duas legendas jamais estariam juntas em qualquer palanque. Pois se isso é fato, e tendo a crer que sim, pelo menos foi o que apurei recentemente, então como vai haver um equilíbrio entre o Solidariedade, personificado no sindicalista Cristiano Alves e o PDT sob a supervisão do ex-vereador Hugo Tadeu Montanari? Novo questionamento escudado no fato de que o sindicalista e o ex-secretário de Indústria e Comércio são “inimigos”, inclusive, conforme já apontado aqui, com ações protocoladas no MP por parte de Alves ocasionando enormes prejuízos políticos para Hugo Tadeu.

 

Malabaristas

Mas isso já não é com este colunista que escreve aos domingos seus aforismas, meus caros leitores, mas sim com os nossos políticos e aqueles que se acham malabaristas do processo sucessório e tem plenas condições de manipular a arte de trebelhar partidos e legendas que anseiam por um espaçozinho na Câmara de Vereadores a partir de 2017. Sendo assim, fiquemos com os museus da nossa cidade que, através de uma iniciativa do Secretário de Cultura, Luiz Colevatti permanecerá aberto aos finais de semana à visitação pública. Desta forma, parabenizo pela iniciativa, já que em tempos de crise e lamurias do prefeito e arrocho financeiro que valeram a deserção de um dos assessores preferidos do atual prefeito, os secretários têm que encontrar saída e apresentar propostas significativas para a população e não deixar passar ações de assistentes sociais que se recusam a fazer visitas às residências das pessoas mais desafortunadas, conforme expus na última reunião do Conseg (Conselho Municipal de Segurança). Acho que valeria uma investigação se a informação que me foi passada procede ou não. Mas ai já não é comigo e sim com as autoridades sociais eleitas há três anos para cuidar da área. E-mail: gilbertobarsantos@bol.com.br, social@criticapontual.com.br, gilcriticapontual@gmail.com. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *