Olhar Crítico

Orientação

Começo meus olhares dominicais, deste mês de abril, abordando as inovações que a direção do Colégio Futuro/COC proporciona ao seu corpo discente. Sendo assim, evidencio o ciclo de palestras sobre orientação vocacional que a instituição começa a ofertar aos estudantes a partir desta terça-feira, 05. Lógico que, na dupla condição de pai e educador, me ocupo em direcionar, não só o meu filho, mas também os demais estudantes secundaristas para uma escolha coerente e racional do exercício profissional, pois a opção significa que se fará isso todos os dias. Desta forma, ser médico não é apenas usar branco e dizer que gosta de cuidar de pessoas, mas sim trabalhar diariamente no limite entre a vida e a morte, além de se deparar cotidianamente com o vir a ser putrefato do indivíduo.

 

Atletismo

E como a dinâmica hoje parece ser mesmo o mundo educacional e a preparação profissional, não posso deixar de enfatizar a proposta de reativar a escola de atletismo que a Secretaria Municipal de Esporte disponibilizava aos penapolenses num tempo não muito remoto. Desse programa surgiram muitos corredores e atletas, anônimos ou não, vencedores ou não, mas que viam na prática esportiva um complemento para suas existências sociais. Desta forma, a proposta que vem sendo elaborada, sob a coordenação do professor e fisioterapeuta Mauro de Castro, “Dudu” – funcionário de carreira da prefeitura local -, deverá entrar em funcionamento em breve e as aulas serão realizadas na pista de atletismo do Estádio Municipal “Tenente Carriço” onde outrora ocorriam as aulas. Em breve traremos mais notícias sobre esse projeto do meu amigo e ex-aluno Mauro de Castro encabeça, mas desde já o parabenizo pela iniciativa.

 

Vulcões políticos

Se em Brasília, o universo da política é um vulcão cuspindo magmas por todo lado, soltando lavas ideológicas e farpas patrimonialistas e, em São Paulo, o governo paulista do peessedebista Geraldo Alckmin se vê num círculo de denúncias de corrupção, começando pelo desvio de bilhões de reais no campo da merenda escolar que foram transportados, quiçá investigação, pelos vagões do metro paulistano, em Penápolis, a situação não é diferente. Conforme já externei em outro lugar [http://criticapontual.com.br/site/2016/03/30/olhar-critico-19/], o universo político-partidário promoveu, aos eleitores mais atentos, um espetáculo dantesco, pois comunista que adornava o mundo da foice e do martelo, debandou-se para uma proposta populista de se governar o orbe de Maria Chica, deixando os seus parceiros de partido consternado, ainda mais por este novo integrante do PSD ter disputado as eleições para deputado estadual pelo PC do B, obtendo 4.555 votos, o que poderia fazer com que o Partido Comunista do Brasil conseguisse, agora em 2016, umas cadeiras na Câmara de Vereadores.

 

Interpelações

Mas o que dizer dessa atitude do professor-doutor em Literatura, Roberto Rillo Bíscaro? E o que pensar sobre a deserção do professor-doutor em Biologia, José Carlos Pansonato, “Zeca Pansonato” do ninho tucano preparado com todo esmero pelo atual prefeito pensando em sua reeleição agora em Outubro? Há quem diga que o meu amigo biólogo deixou os quadros de primeiro escalão do atual arauto do PSDB penapolense para tentar ganhar, junto com a camarilha formada pelo ex-presidente da Câmara, Caíque Rossi, uma vaguinha na Câmara de Vereadores que, diga-se de passagem, paga bem ao representante da coletividade: os valores estão na casa dos R$ 4 mil. Desta forma, as subvenções são tentadores, mesmo para aqueles que não tenham ideia exata do que significa representar o povo! Mas deixando a quadra do milhar de real e indo para o campo da concorrência, tudo pode acontecer em Outubro. Uns acreditam que a disputa ficará entre o criador e a criatura, não sobrando mais nada para os demais postulantes, exceto algumas migalhas que cairão do trono executivo. É esperar para ver ou sofrer com as consequências.

 

 

Se Zeca Pansonato saiu para disputar uma vaga na Câmara ou por divergências com a Secretária de Finanças, Maria Emília – ao ponto deste dizer “ou ela ou eu!” – não deve ocupar muito espaço na nossa reflexão dominical, mesmo sendo significativo entender os motivos que levaram um dos preferiti do atual prefeito a abandonar a nau governista que se afunda no descrédito a cada dia. Sendo assim, passemos adiante as questões político-eleitorais da cidade, como por exemplo, a deserção do blogueiro Ricardo Faria do seu PSB que objetivava se aliar ao atual chefe do Executivo que também, a exemplo do arauto do PSD, tenta anexar tudo e a todos, numa espécie de multinacional partidária. Faria deve ter lá os seus motivos para deixar o Partido Socialista Brasileiro, legenda em que militou nos últimos cinco anos, após deixar o PV – partido que ocupa, mesmo rusgado com o alcaide local, o cargo de vice-prefeito penapolense.

 

Formação

E já que a temática é o Partido Verde local, informo aos leitores dos meus olhares, que a legenda realizará, entre os dias 22 e 24 de abril – sexta-feira, sábado e domingo – nas dependências do Clube Penapolense, o curso Escola de Formação de Líderes. De acordo com o presidente do diretório do PV local, Eder Granato, o objetivo do evento é conscientizar os participantes sobre novas metodologias na forma de se fazer política. Embora, a jornada seja organizada pelo Partido Verde, podem participar indivíduos que sejam externos à agremiação. Desta forma, o curso é suprapartidário já que o escopo é fornecer ferramentas e mecanismos para que os cidadãos comuns compreendam corretamente o universo da política e não somente as disputas eleitorais tupiniquins, pois política se faz todos os dias, levando em conta que o ser humano, como dizia Aristóteles, é um “animal político” por natureza.

 

Cancela

As cancelas de Penápolis aguardam a chegada de seu filho mais ilustre: o vereador Jonas Chamarelli (PSD) que usará de todos os artifícios para não voltar esse ano a abrir porteira para locomotiva passar, ou fechar, enquanto ela passeia pelos trilhos da antiga estrada NOB que cortam a cidade ao meio. Muita água vai passar, ou melhor, muitas composições passarão pelos dormentes que dão sustentação aos trilhos antes do pleito de Outubro, mas uma coisa é certa: o eleitorado não se esquecerá dos Judas que traíram o povo e agora se aninham numa mesma cesta partidária. Não que seja delituoso fazer isso, pois a lei faculta a quem quer que seja mudar de roupagem partidária ou credo ideológico ou religioso, entretanto, é preciso atentar-se para o que esses novos apaniguados de um tipo específico de populismo apresentarão à cidade: um projeto de governo ou projetos de poder. Faz 36 meses que o segundo deu as caras em nossa cidade, mesmo tendo 36% dos votos válidos foi para a galera do poder e todos sabem as consequências. Contudo, aguardemos o trebelhar partidários das próximas semanas. Por hoje é só: e-mail: gilbertobarsantos@bol.com.br, gilcriticapontual@gmail.com, social@criticapontual.com.br. www.criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *