Olhar Crítico

Alarido

Seguindo o que dizia um trecho entoado pelo cantor Rolando Boldrin: “corre um boato aqui donde eu moro…”, é preciso entender a boataria que ronda a cidade nos últimos tempos. Um desses zum-zum-zuns diz respeito a uma suposta parceria eleitoral entre o PV local e o PT, visando o pleito de 2016. Os ventos que sopravam de certos eleitores pareciam fortes, mas careciam de fortes evidências, mesmo assim em virtude do alarido, este colunista foi à cata da veracidade de tais boatos. Em conversa com o vice-presidente do direito municipal do Partido Verde, Ricardo Faleiros de Castilho, também vereador com mandato até o final de 2016, obtive a informação de que não há nenhuma hipótese do PV se juntar ao PT para a disputa eleitoral de logo mais em Outubro.

 

Despautério

“Essas informações que estão sendo ventiladas na cidade de que o PV vai se juntar ao diretório do PT de Penápolis pensando nas eleições municipais, não procedem”, explicou Ricardinho Castilho. Segundo ele, como poderia haver tal junção, se ele e o vereador recém-filiado ao PV, Professor Luiz Antônio Alves de Oliveira, são críticos ao comportamento do Partido dos Trabalhadores no que diz respeito à crise institucional que se instalou em Brasília por conta dos sucessivos atos de corrupção visando manter-se no poder a todo custo. “Não tem cabimento agora virmos firmar parceria com o partido da presidente Dilma”, disse o vice-presidente do PV penapolense.

 

Sondagem

Mas por outro lado, Ricardinho explicou que houve uma sondagem ao PMDB local, entretanto, este queria trazer a tiracolo o pessoal do PT e ai não houve acordo, segundo Ricardinho Castilho.  Parece-me que tal confusão e, ai, os espertalhões de plantão objetivando a disputa eleitoral de logo mais, lançam esse tipo de palavrório para confundir a cabeça do eleitorado, deve ter ocorrido por conta do jantar de confraternização que o PV realizou recentemente contando com a presença de diversos políticos, entre eles, o próprio João Luís dos Santos (PT) e o seu amigo do PT, o ex-presidente do Daep, Lourival Rodrigues dos Santos, além de Ziza do Nascimento (PDMB), Ivan Sammarco (PTN), entre outros. O evento também serviu para sacramentar o ingresso do ex-tucano ao PV, vereador Professor Luiz. De qualquer forma, o vice-presidente do PV local reitera que não passa de infundados boatos a informação que o Partido Verde formaria par com o Partido dos Trabalhadores pra o baile eleitoral de Outubro.

 

Adversários

Se por um lado, não há nada no front partidário que confirme a união entre PV e PT, por outro, o que todos acreditam ser o maior adversário dos Verdes nessas eleições, o PSD continua em sua cruzada objetivando angariar muitos políticos e pessoas influentes na sociedade para o seu séquito de filiados visando às cadeiras na Câmara a partir de 2017, além do cargo de prefeito. O arauto do partido, o ex-presidente da Câmara, Caíque Rossi acredita que fará oito vereadores – mas como diz o adágio, quem viver verá! E para atingir o seu escopo, conseguiu, no apagar das luzes, trazer para o seu rebanho o professor-doutor Roberto Rillo Bíscaro que estava no PC do B, partido pelo qual disputou as últimas eleições para deputado estadual obtendo 4.555 votos. Talvez esse montante tenha influenciado o PSD a fazer-lhe a corte. Resta saber se conseguirá repetir o feito na eleição municipal.

 

Bacalhoada

E já que a toada é mesmo o PSD – que deverá ser conhecido como partido da CIP (Contribuição da Iluminação Pública) já que todos os mais recentes integrantes, juntamente com Caíque Rossi, foram responsáveis pela cobrança da tal taxa que vem todos os meses na conta de luz do consumidor sem que este tenha como escapar da cobrança, mesmo sendo uma contribuição, portanto, até onde eu sei, não é obrigatória e não deveria ser feita como está ocorrendo, mas isso ai já não é comigo e sim com os homens togados que, provocados pela sociedade e observando os dispositivos legais, darão o veredicto para cessar a cobrança, mas continuar a prestação de serviço para a coletividade. É preciso ter claro que Lucas Casella, Jonas Chamarelli, Rodolfo Valadão, Alexandre Gil de Melo votaram pela aprovação da CIP quando 90% da população eram contrários. Desta forma, reconduzir esses políticos aos postos que ocupam, requer uma avaliação racional por parte do eleitorado, para não rechaça-lo veementemente. Ah! Não se pode deixar enfatizar que o pré-candidato a prefeito, Caíque Rossi foi o voto de minerva e calou os desejos da população com um “sim”! Durmam com um barulho desses ou engasguem com um bacalhau desses nessa sexta-feira santa, caros leitores!

 

Atuação

Interessa-me aqui informar aos meus leitores, ou melhor, refrescar suas memórias no que diz respeito à atuação desses vereadores no Legislativo quando um cidadão pediu a abertura de Comissão de Investigação para apurar supostas irregularidades praticadas por um vereador: todos já sabem: gaveta – procedimento adotado numa sessão que valeu editorial de um jornal regional defenestrando a atitude dos representantes do povo penapolense. Por outro lado, o PSD também se digladia com o PSDB, do alcaide local, para conseguir abraçar o presidente do diretório do PDT, o vereador Joaquim Soares, o Joaquim da Delegacia. É preciso ter claro que este também votou favorável a CIP numa troca de favores, porém, informações extraoficiais dão conta de que o outro lado não cumpriu com o trato e Joaquim ficou com o peso nas costas de ter votado contra o povo e a favor do prefeito. Acredito que tudo isso irá aparecer na campanha eleitoral, mas isso já não é com este colunista e sim com o eleitorado que é soberano para decidir o que deseja para a sua cidade.

 

Solidão

Se o PSD continua, com fome tsunâmica, tentando arrebanhar tudo e a todos para a sua campanha megalomaníaca de se chegar ao poder central da cidade – e ai não se tem nada de errado, pois todos podem acalentar esse desejo, portanto, é normal -, o chefe do Executivo continua sua jornada solitária até o fim do seu mandato, para não dizer calvário político. Todos aqueles que lhe eram próximos hoje o rechaçam -, como Pedro que negou Cristo por três vezes antes do cantar do Galo – conforme já apontei aqui, de acordo com a debandada que sofreu na Câmara, tendo ao seu lado três fieis escudeiros: Nardão Sacomani (DEM), Fabinho Pereira da Silva (PSDB) e Joaquim Soares (PDT) – que ainda aguarda a concretização da promessa. Há quem diga que o vereador Francisco José Mendes, “Tiquinho” (PSDB) estaria ao lado do prefeito por conta da nomeação de seu amigo, Edson Bilche Girotto, “Batata”, para a direção do Daep. Se isso é fato, então fica complicado abraçar o prefeito depois de ter apresentado uma miríade de denúncias na Promotoria Pública. Quem é amigo de Tiquinho garante que não teve aproximação nenhuma e que é uma tentativa do chefe do Executivo forçar a barra para ter o combatível vereador ao seu lado. Vejamos no trebelhar político dos próximos dias.

 

Calvário

Como me enveredei pelas denúncias no Ministério Público, não posso deixar de enfatizar aqui a problemática envolvendo as plotagens de veículos da Prefeitura, do Instituto Municipal de Profissões e a frota da Secretaria de Obras. Não é novidade para ninguém que o Ministério Público está investigando as supostas irregularidades e que o processo, segundo contam, já está na casa dos cinco volumes. Desta forma, informações que chegaram até esse colunista dão conta que foram apensados aos autos processuais mais uma nota no valor de R$ 4 mil relativos à plotagem na frota da Secretaria de Obras, entretanto, há quem garanta que o trabalho não foi realizado e as provas, inclusive com imagens, estão na Promotoria Pública, fórum adequado e guardiã dos interesses da coletividade que deve ser municiada pelos vereadores que fiscalizam os atos do Executivo e não chancelar tudo que vem de lá.

 

Insônia

Desta forma, foram apensadas novas informações aos autos do Inquérito Civil 14.0373.0002653/2014-3 que apura possíveis irregularidades na confecção de adesivos e lonas por uma empresa para a municipalidade. Documentos que este colunista teve acesso apontam que o trabalho foi realizado parcialmente, ou seja, em apenas três veículos, de um total de 19 que compõe a frota da secretaria de Obras. De qualquer forma, se as esmeraldas já tiram, há algum tempo, sossego do atual prefeito, agora com essa das lonas, adesivos e outras plotagens, tudo leva a crer que ele terá uma insônia daquelas, ainda mais, de acordo com informações extraoficiais o professor-doutor José Carlos Pansonato Alves, “Zeca Pansonato”, teria abandonado a Secretaria de Educação e a nau do alcaide se debandado para os lados do PSD. Em seu lugar na assessoria para fins educacionais, estaria a funcionária de carreira Cláudia Oberg, filha da diretora aposentada e que também tem passagens pela pasta, Elizabeth Oberg que hoje está filiada ao PV. Muitos já dizem que a interinidade de Cláudia não tem vínculo nenhum com o Partido Verde penapolense.

 

Cancela

Se Zeca saiu ou não da Secretaria de Educação, vamos saber nas próximas horas, o que se sabe ao certo é que Jonas Chamarelli, por ter traído o prefeito assim como fez Judas Iscariotes (em hebraico Yehudhah ish Qeryoth), não terá o mesmo castigo de Prometeu, mas voltará ao seu antigo posto: abrir e fechar porteira para locomotiva passar, ou seja, será novamente um sinaleiro, não do farol, para alegria de uns e tristeza de outros, principalmente dele, pois conforme consta, este se recusava, já que está vereador com cargo na mesa diretora, ficar todo santo dia, sob o sol, chuva ou frio abrindo e fechando porteira. Já correm nas redes sociais observações segundo as quais ele vai mudar o nome de guerra de Jonas do Povo, para Jonas da Cancela. Se for isso, vale até um trocadilho: no dia da eleição, tecle Jonas e cancele. Brincadeiras a parte, esse era mesmo o seu destino, depois de se aliar aos adversários do prefeito encastelados no PSD. Coisas de Política!

 

Tempestade

Se a situação está periclitante em Penápolis, os ventos que sopram de Brasília indicam tempestade – tipo aquelas de areia muito comuns no deserto. Senão vejamos: de um lado, as camisas vermelhas e de outro os camisas pretas. As duas cores me fazem lembrar o romance de Stendhal: O vermelho e o negro – todos, a exemplo do livro O Príncipe (http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/principe.pdf) deveriam lê-lo – e o romance do italiano Vasco Pratolini (1913-1991): Histórias de pobres amantes. O primeiro livro, todos já conhecem um pouco da história contida nele, mas vale uma leitura mais atenta. Já no segundo, o autor conta a história de uma vila na Itália acossada pelos fascistas. Mas por que essa comparação, devem se estar perguntando os leitores dos meus olhares? A questão é simples: as pessoas têm o direito de usar preto por se considerarem enlutadas com a morte da democracia brasileira em virtude da panaceia que o governo central vem tentando empurrar goela abaixo da população, através da tentativa de se evitar que o arauto do petismo nacional – o Homem de Garanhuns – Luiz Inácio Lula da Silva acabe trancafiado por conta das estripulias que cometeu quando presidente da República e continuou a fazer depois que deixou o cargo máximo da Nação.

 

Investigação

É preciso ter claro que o cidadão não tem mais fórum privilegiado e deve, quando for o caso, ser investigado como um cidadão qualquer e não um deus tupiniquim que acha que revolucionou o Brasil, fazendo os pobres ficarem ricos da noite para o dia e cego voltar a enxergar, leprosos curados, aleijados começarem a andar! Pasmem! O indivíduo “não é o cara” como faziam crer que o presidente dos EUA teria dito, mas sim, um sujeito que se crê acima do bem e do mal e intocável pelas leis que os brasileiros, a duras penas, construíram ao longo dos dois últimos séculos. Se esse cidadão for inocente, os autos vão provar e, se for culpado, letra fria da lei nele e pronto, encerrando-se os problemas. O juiz que lhe aplique a pena que acha cabível para os delitos que este tenha cometido e ponto final.

 

Enfrentamentos

Mas não! De um lado, muitos idólatras parecem àquelas pessoas que ficam gritam histericamente o nome do novo do ídolo e que se deve pegar na mão dele. Por outro, os inconformados que começam a aprender a duras penas o que é democracia e a ausência deles nos pleitos municipais, estaduais e para o plano federal pode alçar ao poder sujeitos políticos que vão afundar uma cidade, um Estado ou um país. Democracia se faz com voto e com consciência política, mas nem por isso, esses sujeitos deixam de ter o direito de se manifestarem contra o que acham abusos do poder central. Para esses casos a rua, e um bom conhecimento do funcionamento das instituições, ajudam bastante e, quando virem intolerância, deixem o intolerante falar sozinho, pois endeusar deve ter lá suas razões e sentidos que não vou discutir aqui. Quem é a favor do grupo que está no poder, tem todo o direito de se manifestar, mas sem ofender quem pensa diferente, entretanto, o que mais se vê nos últimos tempos são os camisas vermelhas semelhantes os camisas pretas retratados por Vasco Pratolini em seu clássico História de pobres amantes, humilharem e ofenderem os oponentes, ou seja, sem baixar o nível das desavenças políticas. É isso ai! Para quem quiser saber mais um pouco sobre os delitos que a presidente pode ter cometido no exercício do poder, o que lhe vale um impeachment nas costas acessem http://www.istoe.com.br/reportagens/449533_OS+7+CRIMES+DE+DILMA e leiam desprovidos de paixonites e toscos ideologismos. E-mail: gilbertobarsantos@bol.com.br, gilcriticapontula@gmail.com, social@criticapontual.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *