Os dois Brasis e as ruas

MARCO AURÉLIO NOGUEIRA

19 Março 2016 | 14:25

 

Milhares de pessoas lotaram ruas de várias cidades brasileiras na noite de ontem, sexta-feira dia 18 de março. Foi uma demonstração de peso, que fornece elementos para a análise da atual situação política, da correlação de forças e dos humores da cidadania. Lula conciliou, o PCdoB tentou incendiar a galera. No final, prevaleceu o tom do ex-presidente, que contrastou especialmente a agressividade verbal, artificial e mentirosa da mais recente Dilma.

Além de terem garantido que “não vai ter golpe”, as manifestações foram marcadas pela tranquilidade. Todos voltaram em paz para casa, sem acidentes dignos de nota.

Com isso, completou-se um quadro que se vem delineando desde ao menos 2013.

Há dois Brasis hoje nas ruas, protestando e se manifestando. Não são somente dois blocos de posicionamentos políticos e ideológicos, ainda que isso esteja claramente presente. São também — e sobretudo — duas configurações de sociedade, expressões tanto de um mundo social que resiste agarrado a certas tradições e a certas “narrativas”, quanto de um mundo social que emerge impulsionado pela “novidade”, pela ausência de disciplina e por “narrativas pós-modernas”. Falando por metáforas: uma sociedade sólida ao lado de uma sociedade líquida, uma ordem social atada a organizações estruturadas à moda antiga — promotoras de comunidades mais “pesadas” — e uma ordem social “desorganizada”, individualizada, movida por enxames de indivíduos soltos, donos de suas cabeças, desagregados, que se reúnem por espasmos momentâneos, razões flutuantes e lealdades erráticas.

Não são dois mundos separados por fronteiras rígidas. Estão juntos e misturados, sendo frequentados por pessoas que experimentam as mesmas situações estruturais e compartilham as mesmas condições existenciais: a militância em redes,  o manuseio de informações, a alta reflexividade, a rapidez das mudanças, a incerteza, a invasão tecnológica, a desestruturação do trabalho, a perda do emprego, a dificuldade de alcançar identidades estáveis, a desconfiança na política instituída e na classe política, a espetacularização da vida, manifestações performáticas, com shows e dancinhas coreografadas.

Esses dois mundos vocalizam hoje um sonoro “não ao golpe”, defendem a democracia como valor, querem direitos, questionam os políticos, endeusam e seguem mitos heroificados e salvacionistas — Moro e Lula –, comungam um sem-fim de credos comuns. Preconceitos, ressentimentos, frustrações, taras regressistas e valores progressistas distribuem-se equilibradamente entre eles, que são frequentados sem maior distinção por representantes dos diferentes estratos sociais. Unidade na diversidade.

A esta altura dos acontecimentos, o impeachment de Dilma deixou de ser o problema principal. Não é tão importante saber se ele vai ou não ocorrer, quando e como isso ocorrerá, se é que ocorrerá. Algum desfecho a crise política terá, cedo ou tarde. A imponente presença das ruas, com seus protestos e manifestações, empurrarão os políticos e os levarão a celebrar um acordo.

O mais importante é outra coisa: é saber o que terá de ser feito para que os “dois Brasis” se integrem cada vez mais, confluam um no outro, de modo a que um possa corrigir e completar o outro, acelerando a transição temporal e adubando uma reconstrução da convivência que será estratégica para o futuro. A hora não é de fomentar golpes fantasiosos à direita ou à esquerda, punições exemplares ou caçadas a quem quer que seja, operações que somente servem para atritar os brasileiros entre si, jogar uma configuração social contra a outra, inventar “lutas de classes” que não estão politicamente objetivadas nem organizadas no plano das consciências.

Estamos certamente carentes de atores que se disponham a esta tarefa. Mas é próprio dos humanos encontrar saídas surpreendentes nos momentos mais dramáticos da história. E é nesta direção que devem trabalhar os democratas de todos os matizes.

 

Disponível no site http://politica.estadao.com.br/blogs/marco-aurelio-nogueira/os-dois-brasis-e-as-ruas/ (acessado no dia 19/03/2016 às 14h47)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *